Julho de 2019 foi o mês mais quente registrado na história

O mês anterior também já havia batido o recorde global; foi o junho mais quente da História

 Praia de Boa Viagem Praia de Boa Viagem - Foto: Ed Machado/Folha de Pernambuco

As médias globais de temperatura do último mês de julho foram "marginalmente mais altas" do que as de julho de 2016 -o julho mais quente até então. O aquecimento da temperatura média do planeta em julho foi de aproximadamente 1,2°C em relação aos níveis pré-industriais.

O resultado é muito próximo do limite de 1,5°C estipulado pelo IPCC/ONU (Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas da ONU) para conter os cenários mais desastrosos das mudanças climáticas, como a submersão dos países-ilha. O mês anterior também já havia batido o recorde global; foi o junho mais quente da História.

Até agora, todos os meses de 2019 estão entre os quatro mais quentes para o mês em questão. Além disso, os últimos quatro anos (2015 a 2018) foram globalmente os quatro anos mais quentes já registrados.

Leia também:
Etiópia quer plantar 4 bilhões de árvores para combater mudanças climáticas
Mudanças climáticas em curso têm reflexos em Pernambuco
Consumir sem destruir o meio ambiente

A avaliação divulgada nesta sexta (2) pela Copernicus Climate Change Service, instituição ligada à União Europeia, trata das temperaturas dos dias 1 a 29 de julho. Na próxima segunda-feira, um relatório completo trará os dois últimos dias do mês.
A medição, feita com dados meteorológicos colhidos em todo o mundo e processados pela agência europeia, é comparada com cinco bases de dados históricos, incluindo bases de universidades, da agência de meteorologia do Japão e da Nasa.

Para o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, o resultado deste julho "é ainda mais significativo, porque o mês mais quente até então, julho de 2016, ocorreu durante um das passagens mais fortes do El Niño de todos os tempos. Não é o caso neste ano".

Em entrevista à imprensa nesta quinta (1), Guterres reforçou as metas mais ambiciosas indicadas pelo IPCC. "Precisamos cortar 45% das emissões de gases-estufa até 2030; precisamos ser neutros em emissão de carbono até 2050".

Questionado sobre um possível recado para os Estados Unidos, que podem deixar o Acordo de Paris, Guterres sugeriu que o acordo já não seria suficiente. "É absolutamente essencial não apenas implementar o Acordo de Paris, mas fazê-lo com uma ambição maior", afirmou.

Veja também

Carrefour terá que punir funcionário que praticar racismo, decide Justiça
Racismo

Carrefour terá que punir funcionário que praticar racismo, decide Justiça

Novos casos de HIV superaram 20% na América Latina na última década, diz OPAS
HIV

Novos casos de HIV superaram 20% na América Latina na última década, diz OPAS