Justiça brasileira concede liminar a favor de Doda Miranda

A primeira vitória do cavaleiro no processo de divórcio precisa ser homologada pela Bélgica

A primeira vitória no processo de divórcio precisa ser homologada pela BélgicaA primeira vitória no processo de divórcio precisa ser homologada pela Bélgica - Foto: Divulgação

Doda Miranda acaba de conseguir sua primeira vitória na árdua batalha judicial que virou seu processo de divórcio com Athina Onassis. O Tribunal de Justiça de São Paulo concedeu uma liminar a favor do cavaleiro brasileiro, para que ele tenha, novamente, acesso aos equipamentos esportivos no centro de treinamentos de cavalos que ele e a bilionária franco-grega fundaram em Valkenswaard, na Holanda.

Athina havia proibido o cavaleiro de entrar no centro, desde agosto de 2016, e montar os cavalos que ele havia treinado. Até mesmo Cornetto K, o cavalo que Doda disputou a Olimpíada do Rio. A decisão do desembargador da 7ª Câmara de Direito Privado, Rômolo Russo, dá, também, ao cavaleiro o direito de montar Cornetto K e proíbe a venda dos cavalos que ele e Athina tinham juntos, até que o processo seja concluído nos tribunais da Bélgica e da Holanda. Uma carta rogatória já foi expedida à Europa para que Athina seja citada da decisão.

 

Doda Miranda e Cornetto K

Foto: Doda Miranda e Cornetto K
Créditos: Reprodução 

Segundo a Época, Doda tem esperança. “Tenho o direito de voltar a montar o cavalo que eu treinei; essa é a minha profissão”, diz o cavaleiro. Ele conta, também, que o passaporte de Cornetto K, que estava em seu nome e no nome da empresa que ele e Athina montaram, Victory Equestrian Sport BV, foi alterado sem seu consentimento. “Mudaram o documento só para a propriedade da Victory, sem qualquer assinatura minha”, finaliza.  

 

 

Veja também

Além da preparação para provas, Enem vai exigir medidas de prevenção contra o novo coronavírus
Enem

Além da preparação para provas, Enem vai exigir medidas de prevenção contra o novo coronavírus

Pandemia reduziu migração mundial em 30%, aponta ONU
Mundo

Pandemia reduziu migração mundial em 30%, aponta ONU