Justiça decreta prisão de dois investigados de hackear autoridades

Segunda fase da operação Spoofing investiga a invasão de dispositivos eletrônicos de autoridades e a prática de crimes cibernéticos

A 10ª Vara Federal de Brasília converteu a prisão temporária em preventiva (por tempo indeterminado) de dois investigados presos na 2ª fase da Operação Spoofing, deflagrada no último dia 19 pela Polícia Federal. A operação investiga a invasão de dispositivos eletrônicos de autoridades e a prática de crimes cibernéticos.

Segundo as investigações, os dois presos são suspeitos de integrar a organização criminosa acusada de acessar, sem autorização, o telefone celular de autoridades como o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. A audiência de custódia dos dois presos está marcada para segunda-feira (30).

No dia 1º de agosto, o juiz Ricardo Leite, da 10ª Vara Federal de Brasília, decretou a prisão preventiva dos quatro investigados presos na primeira fase da Operação Spoofing.

Leia também:
Juiz manda PF enviar ao STF cópia de investigação sobre hackers
Polícia detalha operação que prendeu hackers suspeitos de fraudes bancárias
Moro se encontra com Maia e defende resgate de pontos derrotados no pacote anticrime

A primeira fase da Operação Spoofing foi deflagrada no dia 23 de julho e resultou na prisão de quatro suspeitos de hackear o ministro Sergio Moro. Os detidos também são suspeitos de terem interceptado e divulgado parte das comunicações do ministro.

A operação foi batizada de Spoofing, expressão relativa a um tipo de falsificação tecnológica, que procura enganar uma rede ou uma pessoa fazendo-a acreditar que a fonte de uma informação é confiável quando, na realidade, não é.

Veja também

Barroso manda governo proteger três terras indígenas da Covid-19 e diz que "situação é gravíssima"
Coronavírus

Barroso manda governo proteger três terras indígenas da Covid-19 e diz que "situação é gravíssima"

OAB define que metade dos cargos de direção da ordem deverá ser ocupada por mulheres
Equidade

OAB define que metade dos cargos de direção da ordem deverá ser ocupada por mulheres