guerra

Kiev de luto após perseguição russa em hospital infantil

Ao menos 33 pessoas morreram em Kiev, onde bombardeios atingiram um hospital, uma clínica privada e prédios residenciais, segundo o último balanço oficial

Equipes de emergência e resgate, juntamente com médicos e outros, limpam os escombros do prédio destruído do Hospital Infantil Ohmatdyt após um ataque de mísseis russos na capital ucraniana de KievEquipes de emergência e resgate, juntamente com médicos e outros, limpam os escombros do prédio destruído do Hospital Infantil Ohmatdyt após um ataque de mísseis russos na capital ucraniana de Kiev - Foto: Roman Pilipey / AFP

A capital ucraniana está de luto nesta terça-feira (9) pelos bombardeios russos que deixaram mais de 30 mortos e destruíram o maior hospital pediátrico do país, um balanço que ainda deve aumentar à medida que os escombros são removidos.

O bombardeio do hospital infantil de Okhmatdyt chocou a Ucrânia, depois de mais de dois anos de uma guerra que começou com a invasão russa em fevereiro de 2022.

O ataque também foi condenado pelos aliados ocidentais da ex-república soviética.

"Dirigir intencionalmente ataques contra um hospital protegido é um crime de guerra", declarou nesta terça Joyce Msuya, subsecretária interina da ONU para assuntos humanitários.

"Estes incidentes fazem parte de um preocupante padrão de ataques sistemáticos contra centros de saúde e outras infraestruturas civis na Ucrânia", destacou durante uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU, convocada a pedido de Kiev.

Pela manhã, o presidente ucraniano, Volodimir Zelensky, indicou que cerca de 40 pessoas morreram em todo o país na segunda-feira, incluindo quatro crianças, e 190 ficaram feridas pelos quase 40 mísseis lançados pela Rússia.

Mais tarde, anunciou sua chegada a Washington para participar de uma cúpula importante da Otan, onde planejava reivindicar mais armas para seu país.

"Estamos lutando para obter mais defesa antiaérea" e "mais aviões F-16", que devem chegar à Ucrânia em breve, disse.

"Profunda dor" 
Ao menos 33 pessoas morreram em Kiev, onde bombardeios atingiram um hospital, uma clínica privada e prédios residenciais, segundo o último balanço oficial. Um anterior indicava 31 mortes.

O papa Francisco expressou a sua "profunda dor" pelos ataques aos dois centros médicos, informou o Vaticano em um comunicado.

A Prefeitura declarou um dia de luto na capital, onde as bandeiras foram hasteadas a meio mastro e os eventos de entretenimento foram adiados.

Segundo o governo ucraniano, um míssil de cruzeiro russo Kh-101 atingiu o hospital pediátrico, embora a Rússia afirme que o ataque foi provocado pelos sistemas de defesa antiaérea ucranianos.

Moscou reiterou nesta terça-feira que as forças russas atacam apenas infraestruturas militares.

As Nações Unidas afirmaram que havia uma "forte probabilidade" de que o hospital pediátrico tenha sofrido um "impacto direto" de um míssil "lançado pela Federação Russa".

A representante do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos na Ucrânia, Danielle Bell, admitiu que ainda era necessária uma investigação mais profunda, mas que as gravações mostraram "que a arma atingiu diretamente o hospital".

"Insuportável" 
Segundo Zelensky, quase 400 socorristas e centenas de voluntários trabalhavam na segunda-feira no hospital Okhmatdyt para ajudar a limpar os escombros e procurar sobreviventes.

Em um prédio residencial no bairro de Syrets, no oeste de Kiev, pelo menos 12 pessoas, incluindo quatro crianças, morreram, de acordo com o prefeito da capital ucraniana, Vitali Klitschko.

Sete pessoas - cinco cuidadores e dois pacientes - morreram no bombardeio contra a clínica privada Adonis, no leste da cidade.

No hospital Okhmatdyt, dois adultos - um médico e um visitante - morreram e 32 pessoas ficaram feridas, segundo as autoridades.

A paz é "de extrema importância" e "a guerra não pode resolver problemas", sublinhou o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, ao presidente russo, Vladimir Putin.

"Quando crianças inocentes são assassinadas, você as vê morrer, seu coração dói e essa dor é insuportável", disse o líder indiano em Moscou, onde está em visita oficial.

O Exército russo vem ganhando terreno na linha de frente há meses e tenta aproveitar as dificuldades de Kiev para reabastecer suas fileiras e obter mais armas do Ocidente.

Moscou reivindicou a tomada de Iasnobrodivka, uma localidade no leste da Ucrânia, nesta terça-feira, segundo o Ministério da Defesa russo.

Na zona fronteiriça russa de Belgorod, os bombardeios ucranianos deixaram pelo menos quatro mortos nas últimas 24 horas, segundo o governador regional.

Veja também

Afinal, podemos guardar comida quente na geladeira?
alimentação

Afinal, podemos guardar comida quente na geladeira?

Serviço Secreto revisa segurança de Convenção Nacional Republicana após tentativa de assassinato con
atentado

Serviço Secreto revisa segurança de Convenção Nacional Republicana após tentativa de assassinato con

Newsletter