Rússia

Kremlin culpa população por fracasso da campanha de vacinação

A Rússia registrou um novo recorde de 37.141 casos e 1.064 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas

O porta-voz do Kremlin, Dmitry PeskovO porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov - Foto: Wikipedia/Reprodução

O Kremlin admitiu, nesta sexta-feira (22), que sua campanha de vacinação contra o coronavírus fracassou, em comparação com a da Europa, mas culpou a população, que reluta em se vacinar, em meio à onda epidêmica.

A Rússia registrou um novo recorde de 37.141 casos e 1.064 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas. 

"Estamos em uma situação pior do que a de toda uma série de países europeus, no que diz respeito à vacinação. E, de repente, com o impulso de variantes mais agressivas, há mais pessoas ficando doentes. Esta é a realidade do momento", disse o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, à imprensa.

Em torno de um terço dos russos foram vacinados contra a Covid-19 desde dezembro, em um contexto de desconfiança generalizada em relação às vacinas desenvolvidas em nível nacional. 

Para Peskov, o que deve ser questionado é a atuação da população, e não do Estado. 

O problema é a conscientização da população", frisou o porta-voz, que também não se vacinou.

Ele alega ter um nível alto de anticorpos, após passar pela doença em maio de 2020.

Embora as autoridades russas tenham convocado a população a se vacinar, o governo também deu a entender que a pandemia poderia ser controlada. E, um indicativo disso, é que optou por limitar ao máximo a imposição de restrições sanitárias, de modo a proteger a economia.

O presidente Vladimir Putin decretou uma semana "de folga" de 30 de outubro a 7 de novembro, na tentativa de interromper o aumento de casos e de óbitos. Além disso, todos os serviços, empresas e estabelecimentos comerciais considerados "não essenciais" ficarão fechados por 11 dias, a partir de 28 de novembro.

Segundo o governo, a Covid-19 deixou 228.453 mortos na Rússia. A agência de estatísticas Rosstat considera, no entanto, que este número está subestimado e que, até o final de agosto, o coronavírus já havia matado mais de 400 mil pessoas no país.

Veja também

Comitê recomenda que réveillon no Rio de Janeiro seja mantidoPandemia

Comitê recomenda que réveillon no Rio de Janeiro seja mantido

A cada dois minutos uma criança é infectada com HIV no mundo, diz UnicefSaúde global

A cada dois minutos uma criança é infectada com HIV no mundo, diz Unicef