A-A+

Laudo descarta febre amarela como causa da morte de saguis em Aldeia

Também foram descartadas dengue e Chikungunya

André Longo, secretário de Saúde de PernambucoAndré Longo, secretário de Saúde de Pernambuco - Foto: Alexandre Aroeira / Folha de Pernambuco

Foi descartada a morte por febre amarela dos 17 macacos da espécie sagui encontrados em dois condomínios de Aldeia, em Camaragibe, na Região Metropolitana do Recife. Segundo a Secretaria de Saúde de Pernambuco (SES), em coletiva realizada na manhã desta quarta-feira (22), no Recife, foram encontrados nas amostras os vírus herpes e Zika, mas ainda não é possível afirmar a causa da morte dos animais.

Leia também:
Ministério da Saúde faz alerta sobre febre amarela
Nove macacos foram encontrados mortos em Pernambuco

Os materiais biológicos dos saguis foram analisados pelo Instituto Evandro Chagas e pelo Laboratório Central de Saúde Pública do Estado (Lacen-PE), em parceria com a Fiocruz Pernambuco, e todos deram negativo para a febre amarela. Também foram descartadas dengue e Chikungunya. Ainda existe a possibilidade de que os animais tenham sido envenenados, estivessem com raiva ou infectados pelo vírus Zika.

Segundo a pesquisadora da Fiocruz Constância Ayres, mosquitos de diferentes espécies que foram coletados nos condomínios ainda estão sendo analisados pela instituição. “Caso seja a Zika, a possibilidade é que ele esteja sendo transmitido pelo Aedes albopictus, que se alimenta de humanos e animais, realizando o ciclo de transmissão silvestre para o meio urbano”, afirmou, não descartando outros mosquitos que também realizam esse tipo se transmissão.

Segundo a secretária executiva de Vigilância e Saúde do Estado, Luciana Albuquerque, até então, Pernambuco não possuía registro de macacos com o vírus Zika. “Precisamos aprofundar as investigações. Estamos fazendo o mais rápido possível para termos esses resultados. Estamos investigando agora a carga de vírus nas amostras coletadas nos macacos para sabermos se tem uma carga de vírus suficiente que confirme a transmissão silvestre”, contou.

“O ciclo de Zika silvestre não está confirmado. Tivemos relatos em outros estados. Porém, o mas importante é reforçar o cuidado da população. Se confirmado, a gente vai ter uma maior dificuldade no controle do Zika em Pernambuco", afirmou o secretário estadual de saúde, André Longo.

Ainda de acordo com ele, o foco agora é na vacinação contra a febre amarela. “Nós já tínhamos tomado uma série de medidas de iniciar a vacinação em Pernambuco. Também estamos tomando medidas em relação aos condomínios que foram detectados os óbitos. Agora, vamos 'centrar fogo' na vacinação pernambucana ao longo de 2020”, afirmou o secretário.

Vacinação
Mais de duas mil e trezentas pessoas já foram imunizadas contra a febre amarela em Camaragibe, local onde os macacos mortos foram encontrados.

Neste mês de janeiro, a vacinação contra o vírus foi iniciada em 43 cidades do Estado, que compõem as Gerências Regionais de Saúde III e V, com sedes, respectivamente, em Palmares, na Mata Sul, e Garanhuns, no Agreste. Cerca de um milhão de pessoas devem ser vacinadas contra a febre amarela nesses municípios.

Já a partir de março, a Secretaria Estadual pretende vacinar 8,4 milhões de pessoas em todo o estado Pernambuco, quando será iniciada a campanha de vacinação em todas as cidades.

Pernambuco não registra casos de febre amarela desde 1938. A SES destaca que macacos não transmitem a doença para os humanos, sendo apenas vítimas do vírus, servindo como agentes sentinelas, que alertam as autoridades sanitárias sobre a circulação da doença.

A SES orienta ainda que a população não deve alimentar e nem maltratar animais silvestres, sendo esta última ação crime previsto em lei, com possibilidade de prisão e pagamento de multa.

Veja também

Boris Johnson, 'muito preocupado' com a COP26 por anúncios alarmantes da ONU
COP26

Boris Johnson, 'muito preocupado' com a COP26 por anúncios alarmantes da ONU

Covid-19: Brasil tem 21,73 milhões de casos e 605,8 mil mortes
Coronavírus

Covid-19: Brasil tem 21,73 milhões de casos e 605,8 mil mortes