Líderes do governo no Congresso rebatem Bolsonaro e pedem que população fique em casa

Os senadores defendem que somente assim será possível achatar a curva de contágio

Presidente do Brasil, Jair BolsonaroPresidente do Brasil, Jair Bolsonaro - Foto: Sérgio Lima / AFP

Líderes do governo no Senado assinaram nesta segunda-feira (30) manifesto em que pedem que os brasileiros sigam as recomendações da OMS (Organização Mundial da Saúde) e fiquem em casa, em postura que se choca com a defesa do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pelo fim do isolamento social.

O documento é assinado pelos senadores Eduardo Gomes (MDB-TO), líder do governo no Congresso, e Fernando Bezerra (MDB-PE), líder do governo no Senado, que foi quem sugeriu o documento.

Também respaldam o posicionamento líderes de partidos como MDB, Rede, PT, Podemos, Cidadania, DEM, PDT, PSB, PSD e PROS.

Leia também:
Presidente da Argentina critica Bolsonaro e diz que Brasil pode repetir caminho da Itália
Bolsonaro já teve ao menos 8 falas e atitudes em desacordo com medidas de combate ao coronavírus


O texto afirma que a pandemia provocada pelo coronavírus impõe desafios e que a experiência de países em estágios mais avançados de disseminação da doença demonstra que, "diante da inexistência de vacina ou de tratamento médico plenamente comprovado, a medida mais eficaz de minimização dos efeitos da pandemia é o isolamento social".

Os senadores defendem que somente assim será possível achatar a curva de contágio e permitir que o sistema de saúde atenda ao maior número possível de doentes, "salvando assim milhões de vidas".

O manifesto afirma que o governo deve apoiar as pessoas vulneráveis, os empreendedores e segmentos sociais que serão atingidos economicamente pelos efeitos do isolamento.

"Diante do exposto, o Senado Federal se manifesta de acordo com as recomendações da Organização Mundial de Saúde e apoia o isolamento social no Brasil, ao mesmo tempo em que pede ao povo que cumpra as medidas ficando em casa."

Para o líder do governo no Congresso, Eduardo Gomes, o manifesto não é uma afronta a Bolsonaro.

"Não contradito, continuo apoiando o presidente, as ações práticas do presidente. Nem no discurso eu discordo. Ele pode ter visão de cenários inerentes aos chefes de Poderes", afirmou.

Gomes diz que o Senado apenas entende que, neste momento, é importante um período maior de isolamento horizontal.

"Não é um texto endereçado ao presidente, mas à população, e como líder do governo no Congresso eu digo que o Bolsonaro tem dado as condições de que o Brasil precisa para enfrentar a quarentena."

O texto, no entanto, contrasta com o posicionamento público de Bolsonaro, que apoia a reabertura de escolas e comércios para evitar que o país caia em uma recessão econômica profunda.

Neste domingo (29), por exemplo, Bolsonaro fez um passeio por Brasília, em tour que gerou aglomeração de pessoas no momento em que a OMS e o próprio Ministério da Saúde recomendam isolamento social para evitar o contágio do novo coronavírus.

Bolsonaro falou com funcionários de supermercados e padarias e com vendedores autônomos.

Ao retornar ao Palácio da Alvorada, disse estar com vontade de fazer um decreto para liberar todas as atividades.

O movimento do presidente frustrou uma ação coordenada entre líderes políticos, membros do Judiciário, ministros e alguns militares para cobrar de Bolsonaro uma defesa efetiva das ações do Ministério da Saúde diante do avanço da doença e uma espécie de voto de silêncio dele e da família.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Recife volta a adiantar aplicação de segunda dose de Astrazeneca para o intervalo de 60 dias
Vacinação

Recife volta a adiantar aplicação de segunda dose de Astrazeneca para o intervalo de 60 dias

Recife oferece mais dois pontos itinerantes de vacinação contra a gripe
SAÚDE

Recife oferece mais dois pontos itinerantes de vacinação contra a gripe