Lixo transborda de canais na RMR

Detritos descartados pela população nos canais acabam prejudicando os próprios moradores em períodos de chuva e transbordamento

Homem anda sobre leito do rio Beberibe tomado por dejetosHomem anda sobre leito do rio Beberibe tomado por dejetos - Foto: Rafael Furtado/Folha de Pernambuco

Derrubada durante a cheia da semana passada, toda a fachada da casa de Lucicleide Maria da Silva, 45, é sustentada apenas por uma estaca de madeira mal fincada no chão. No quintal, às margens do rio Beberibe, foi descartada a cama que ela usava, em meio ao amontoado de lixo que toma conta do canal. “Minha geladeira não pega mais. Minha estante virou com tudo, televisão, conversor. Acabou”, lamentava a dona de casa, contabilizando as perdas que sofreu com a chuva.

Lucicleide mora com seis filhos, oito netos e um dos genros na comunidade do Jacarezinho, entre os bairros do Porto da Madeira, no Recife, e São Benedito, em Olinda. Ali é possível constatar um dos aspectos mais alarmantes quando se fala dos alagamentos na Região Metropolitana: o acúmulo de lixo nos canais, que torna possível até andar sobre eles. Na última quarta-feira, durante o temporal que deixou 12 mortos e centenas de desabrigados, os rejeitos despejados no rio subiram junto com a água que invadiu as casas localizadas nas margens.

Leia também:
Mudanças climáticas em curso têm reflexos em Pernambuco  
Campanhas ajudam vítimas de deslizamentos e inundações


A família teve que sair da casa às pressas. “Foi por volta das três da manhã. Minha mãe acordou com a cama flutuando. Uma vizinha que mora no pé da ponte desocupou um barraco e nos ajudou”, conta uma das filhas de Lucicleide, Josineide Paulo da Silva, 24. Só voltaram no domingo, quando a água baixou. “Toda a imundície que estava no rio veio para cá. Isso que você vê é mais lixo que se acumulou depois”, observa. Ela diz que também é comum ver jacaré subindo a margem para “tomar banho de sol”.

A questão do lixo é um dos principais problemas urbanos em cidades como Olinda, onde, segundo a prefeitura, são coletadas 14 mil toneladas por mês. Na Capital, esse número chega a cerca de 30 mil toneladas, de acordo com a Empresa de Manutenção e Limpeza Urbana (Emlurb). Para a professora de Impacto Ambiental Soraya El-Deir, da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), apesar de cobrir quase todos os bairros, a coleta não é suficiente para o volume de resíduos produzidos nos centros urbanos. “Não há uma lógica gerencial para pegar 100% do que é resíduo, ou seja, tudo aquilo que é descartado, mas tem potencial para ser reciclado”, comenta.

Pesquisadora na área de Gestão de Resíduos Sólidos, ela defende uma política de conscientização ambiental e valorização dos rios, em que a população seja incentivada a descartar os resíduos da forma correta. “[Muitos moradores] não têm o conhecimento suficiente para compreender a importância de fazer a separação do lixo molhado do seco, papel, papelão, lata, vidro, isopor, e destinar para a coleta seletiva”, explica. A professora cita ainda que em países como a Alemanha, há centros de coleta e reciclagem específicos para cada tipo de resíduo. “Aqui a população joga o lixo onde é mais fácil, na porta de casa, no córrego”, diz.

Respostas
Em nota, a Prefeitura de Olinda informou que a comunidade do Jacarezinho pertence ao Recife, mas que vai enviar uma equipe ao local até sexta-feira para averiguar se o trecho do Rio Beberibe fica na cidade. O texto ressaltou ainda que o poder público está realizando um grande mutirão de limpeza de entulhos e retirada de lixo, priorizando as áreas afetadas pelas chuvas.

Também por meio de nota, a Prefeitura do Recife disse que o serviço de coleta cobre 100% do município, inclusive nas áreas de difícil acesso, com fiscais em todos os bairros. Já em relação à coleta seletiva, em que há separação de resíduos, a Prefeitura informou que o serviço é promovido em 62 bairros, com 67 pontos de entrega voluntária (PEV), e que em 2018 foram coletadas mais de 2,7 mil toneladas de material reciclável.

A Secretaria de Infraestrutura e Recursos Hídricos de Pernambuco (Seinfra-PE) explica que, de acordo com a Lei 12.305/2010, responsável por instituir a Política Nacional de Resíduos Sólidos, o recolhimento dos resíduos sólidos é de responsabilidade dos municípios.

Ao Governo do Estado compete o trabalho de dragagem do rio. No entanto, por entender a importância do corpo hídrico para o meio ambiente e para a qualidade de vida das pessoas, a Seinfra informa que entrará em contato com a Prefeitura de Olinda no sentido de articular um trabalho em conjunto voltado para melhorar a situação do Rio Beberibe.
  
"Tiro carne do lixo", diz moradora
“Tudo isso aqui veio do lixo”, conta a dona de casa Mary Romão, 66, também moradora do Jacarezinho, apontando para os produtos que mantém guardados em um pequeno armário, entre latas, panelas e garrafas. É dos rejeitos do rio Beberibe que ela sobrevive. “Até a carne, eu tiro os ‘caldo’ e como. Meu menino [filho] cria porco e vai buscar lavagem, eu tiro e a gente come”, revela, com o neto Arthur, de 1 ano, no braço.

Mãe de 15 filhos - três deles já falecidos -, ela mora ainda com outros dois netos, um de 3 anos e o outro de 11 anos, além de Arthur. Na noite da chuva, Mary diz que acordou toda molhada. “Minhas pernas estavam entrevadas e a água veio com tudo”, lembra. Quando a cheia começou, saiu com as crianças para a casa de um dos filhos, também na comunidade, mas numa área que não foi atingida.

A água danificou tudo o que tinha, mesa, armário, roupas, colchão, e o chão se encheu de lama. Agora, espera passar o período de chuvas para reorganizar o espaço e voltar para casa. Também conta com a ajuda de familiares. “Minha menina [filha] me deu umas panelas”, relata.

Veja também

'Virei boiola, igual maranhense', diz Bolsonaro no Maranhão após beber refrigerante rosa
governo

'Virei boiola, igual maranhense', diz Bolsonaro no Maranhão após beber refrigerante rosa

Covid-19: apesar de alta de casos, número de óbitos continua em queda no Brasil
Coronavírus

Covid-19: apesar de alta de casos, número de óbitos continua em queda no Brasil