'Lockdown' tem apoio de 60% dos brasileiros, diz Datafolha

Para 60% dos ouvidos, a medida é recomendável. Já 36% são contrários, 2% não souberam responder e 1%, se dizem indiferentes

Ruas vazias em período de combate à Covid-19 no BrasilRuas vazias em período de combate à Covid-19 no Brasil - Foto: Marcello Casal/Agência Brasil

Os brasileiros são majoritariamente favoráveis ao "lockdown", o confinamento radical para combater a transmissão do coronavírus, mas têm saído mais de casa em cidades que estão em quarentena devido à pandemia.

É o que mostra pesquisa feita pelo Datafolha na segunda (25) e na terça (26), quando foram ouvidos 2.069 adultos por telefone. A margem de erro é de dois pontos percentuais. Para 60% dos ouvidos, a medida é recomendável. Já 36% são contrários, 2% não souberam responder e 1%, se dizem indiferentes.

O "lockdown" foi aplicado sem sucesso prático em lugares como Belém, e vem sendo alvo de discussão em São Paulo. Ele vinha sendo defendido pelo prefeito da capital, Bruno Covas (PSDB), mas é por ora rechaçado pelo governador João Doria (PSDB).

Os mais ricos, que ganham acima de 10 salários mínimos, são também os mais refratários à ideia: 50% são contra, empatados com 47% a favor. O apoio à ideia é maior no Nordeste, região que tem demonstrado maior oposição ao longo da crise às políticas encarnadas pelo presidente Jair Bolsonaro, de maior preocupação com a economia e rejeição ao isolamento social.

Lá, 69% são a favor do "lockdown". Com 54% de apoio, a região Sul, reduto bolsonarista, é a menos favorável. O Datafolha mostra que, apesar de apoiar o "lockdown" e manter o apoio à prioridade de permanecer em casa ante a necessidade de ir trabalhar em prol da economia, o brasileiro vem cada vez menos aderindo ao isolamento social.

Dizem que se cuidam, mas estão saindo de casa, 35%. Nas três pesquisas anteriores, em 1º a 3 de abril, 17 de abril e 27 de abril, os índices eram respectivamente de 24%, 26% e 27%.

Já aqueles que dizem sair só quando é inevitável seguem sendo o maior grupo, 50%, com estabilidade ante o aferido anteriormente. Mulheres saem menos, e 25% estão na categoria "me cuido, mas saio", ante 46% dos homens. Elas também são mais favoráveis ao confinamento, 68%, enquanto a ideia tem apoio de 52% deles.

Leia também:
Cidades em quarentena registram menor adesão ao isolamento social desde início da medida
Brasil volta a registrar mais de mil mortes pela Covid-19


Já os totalmente isolados oscilaram de 16% para 13% –são também o grupo que mais apoia o "lockdown", 78%. Os maiores de 60 anos, teoricamente mais vulneráveis a complicações da Covid-19, são os que mais ficam em casa o tempo todo: 21%.

Cresceu também o apoio à ideia de que pessoas que não estejam em grupos de risco devam poder sair, apesar de a doença ter se mostrado bastante democrática no quesito.

Agora, são 52% que defendem isso, ante 46% que acham que todos devam ficar isolados para conter o vírus. Em 27 de abril, os índices eram exatamente inversos.Apesar desses números, os benefícios do isolamento social são assim percebidos de forma majoritária. Para 65%, é mais importante que as pessoas fiquem em casa do que retomar a economia com a volta às ruas e reabertura do comércio não essencial.

O número é estável em relação aos dois últimos levantamentos, mas inferior aos 76% registrados na aferição de 1º a 3 de abril. Já aqueles que acreditam que seja hora de flexibilizar mais o isolamento vêm crescendo de 18% naquela pesquisa para 28% nesta.

Aqui, a ocupação do entrevistado fala alto. Empresários são os mais contrários a manter as pessoas em casas, mesmo que isso cause mais desemprego: 51%, enquanto 39% deles acham que a prioridade é o isolamento.

O "lockdown" é rejeitado por 55% dos empresários, ante 38% que o aprovam.
Estudantes estão no outro polo, com 83% de apoio a ficar em casa, enquanto 16% deles querem o relaxamento das regras de quarentena.

Por fim, o brasileiro está pessimista com a duração da crise, que afeta o cotidiano de grandes cidades brasileiras desde o fim de março. A maior fatia entre os ouvidos, 40%, crê que o país só voltará à normalidade num prazo de quatro meses a um ano.

Para 9%, isso ocorrerá de um a dois meses, 10% veem a retomada de dois a três meses e 8%, de três a quatro meses. São mais pessimistas os jovens de 16 a 24 anos, aqueles com curso superior e os mais ricos.

Entrevistas por telefone
A pesquisa telefônica deste estudo representa o total da população adulta do país. As entrevistas são realizadas por profissionais treinados para abordagens telefônicas e as ligações feitas para aparelhos celulares, utilizados por cerca de 90% da população.

O método telefônico exige questionários rápidos, sem utilização de estímulos visuais, como cartão com nomes de candidatos, por exemplo. Assim, mesmo com a distribuição da amostra seguindo cotas de sexo e idade dentro de cada macrorregião, e da posterior ponderação dos resultados segundo escolaridade, os dados devem ser analisados com alguma cautela por limitar o uso desses instrumentos.

Nesta pesquisa, feita dessa forma para evitar o contato pessoal entre pesquisadores e respondentes, o Datafolha adotou as recomendações técnicas necessárias para que os resultados se aproximem ao máximo do universo que se pretende representar. Todos os profissionais trabalharam em casa.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Brasil terá maior fábrica de vacinas da América Latina
Vacina

Brasil terá maior fábrica de vacinas da América Latina

Senado aprova uso de recursos para compra de máscaras e álcool
notícias

Senado aprova uso de recursos para compra de máscaras e álcool