Sport

Luxa não define Sport, mas visa manutenção de postura para superar argentinos na Ilha

Técnico rubro-negro pede mesmo comportamento dos últimos jogos diante do Arsenal de Sarandí, pela Sul-Americana

Vanderlei Luxemburgo comandou reação do Sport longe do RecifeVanderlei Luxemburgo comandou reação do Sport longe do Recife - Foto: Paullo Allmeida/Folha de Pernambuco

O técnico Vanderlei Luxemburgo não tem o time definido do Sport para a partida contra o Arsenal de Sarandí-ARG, pelo jogo de ida da segunda fase da Copa Sul-Americana. Mesmo sem a equipe pronta, o treinador rubro-negro quer a manutenção da “identidade” para bater os argentinos nesta quinta-feira (6), na Ilha do Retiro, mas lembrou que o adversário tem uma característica de jogo diferente em relação à dos pernambucanos.

"Eles têm uma marcação adiantada muito forte. Eles fazem uma pressão grande quando estão sem a bola. É uma característica do futebol argentino para provocar o erro do adversário", analisou o comandante do Leão. Apesar do estilo de jogo do Arsenal ser distinto, Luxa ressaltou que o Sport não pode mudar o comportamento e a postura apresentados nos últimos jogos.

“Não vamos mudar nosso comportamento, mas vamos interpretar o que eles fazem para trabalharmos em cima disso. É importante você encontrar o seu jeito, a sua maneira de jogar e sua identidade. Depois, se adaptar às competições. Tem que ter paciência. As pessoas têm muito receio de cobrar postura da equipe. Qual o problema? Somos profissionais e temos que ser cobrados. Então eu cobrei com base naquilo que o Sport busca”, declarou.

Como o treino às vésperas do jogo será fechado, nesta quarta-feira, a escalação do Sport para enfrentar o Arsenal de Sarandí-ARG só deve ser revelada momentos antes da bola rolar.

Veja também

Bolsonaro participa de celebração nacional da Índia na embaixada
Governo Federal

Bolsonaro participa de celebração nacional da Índia na embaixada

Aumento do diesel eleva 'insatisfação' de caminhoneiros, mas governo ainda não vê risco de greve
Greve

Aumento do diesel eleva 'insatisfação' de caminhoneiros, mas governo ainda não vê risco de greve