Maconha

Luxemburgo libera plantio de maconha para consumo doméstico

A descriminalização do usuário é semelhante à adotada há décadas em Portugal, onde a questão é tratada como um problema de saúde, e não policial

Luxemburgo se tornou o primeiro país europeu a permitir que adultos cultivem até quatro pés de cânabis por família para consumo próprio, inclusive recreativoLuxemburgo se tornou o primeiro país europeu a permitir que adultos cultivem até quatro pés de cânabis por família para consumo próprio, inclusive recreativo - Foto: Juan Mabromata/AFP

Luxemburgo se tornou o primeiro país europeu a permitir que adultos cultivem até quatro pés de cânabis por família para consumo próprio, inclusive recreativo.

A permissão existe no Uruguai desde 2013, no Canadá desde 2018 e em parte dos estados americanos.

De acordo com o pacote de medidas, apresentado por ministros de Segurança Interna, Justiça, Saúde, Educação, Infância e Juventude e Negócios Estrangeiros e Europeus, o objetivo é "lutar de forma eficaz e sustentável contra os problemas relacionados com as drogas ilícitas", principalmente o tráfico, que continua a ser crime.


Também é proibido usar a droga em público e vendê-la: apenas o comércio de sementes passa a ser liberado.
O porte e uso público de até três gramas, porém, deixa de ser crime e passa a ser contravenção, com pena de advertência e multa.

A descriminalização do usuário é semelhante à adotada há décadas em Portugal, onde a questão é tratada como um problema de saúde, e não policial. A opção portuguesa tem dado bons resultados.

Já na Holanda, que há 30 anos tem uma política de tolerância ao consumo de maconha, a planta não foi até hoje legalizada, o que leva donos de coffeeshops e usuários a questionar se o país não ficará para trás nesse mercado.

O pacote do governo de Luxemburgo não limita a quantidade de sementes que pode ser comprada nem seus níveis de THC (tetrahidrocanabinol), principal elemento psicoativo da planta.

A liberalização tinha sido decidida há dois anos pelos partidos que sustentam o governo de Luxemburgo: liberais, sociais-democratas e verdes.

A legalização da produção e venda de maconha reguladas pelo Estado ainda está em estudo. Os planos são usar as receitas do produto em campanhas de prevenção da dependência, educação e saúde.


A nova regra luxemburguesa vai de encontra à convenção da ONU sobre o tema, que limita "exclusivamente para fins médicos e científicos" a produção, o comércio, a posse e o uso de drogas, incluindo cânabis.

É por causa da convenção da ONU que o governo português não legalizou a produção de maconha, embora e ideia seja defendida por parte dos especialistas que atuam na área no país.

Veja também

Comitê recomenda que réveillon no Rio de Janeiro seja mantidoPandemia

Comitê recomenda que réveillon no Rio de Janeiro seja mantido

A cada dois minutos uma criança é infectada com HIV no mundo, diz UnicefSaúde global

A cada dois minutos uma criança é infectada com HIV no mundo, diz Unicef