FRANÇA

Macron e Le Pen se enfrentem em debate antes de segundo turno presidencial na França

Falta apenas quatro dias para votação

Foto: Charly Triballeau/AFP

O presidente centrista Emmanuel Macron e sua rival na eleição presidencial, a candidata da extrema-direita Marine Le Pen, tentarão nesta quarta-feira (20) em seu único debate convencer milhões de franceses abstencionistas e atrair os eleitores de esquerda, apenas quatro dias antes da votação. 

A partir das 21h00 (16h00 de Brasília), ambos detalharão no debate de duas horas e meia, que será transmitido na televisão e na Twitch, suas medidas sobre poder de compra, segurança, juventude, política internacional, meio ambiente, entre outros temas.

Embora Macron lidere por 12 pontos, de acordo com a última média de pesquisas Ipsos/Sopra Steria, apenas 69% dos franceses afirmam ter certeza que votarão, incluindo cerca de 6 em cada 10 eleitores do esquerdista Jean-Luc Mélenchon.

"Há um terço do eleitorado que se sente órfão, que são os eleitores de Jean-Luc Mélenchon e da esquerda em geral, que se opõem tanto a Emmanuel Macron quanto a Marine Le Pen", diz Emmanuel Rivière, cientista político da Kantar, na rádio RFI.

Sinal do desencanto de uma parte da população obrigada a escolher entre o "perigo" da extrema-direita e o impopular presidente, o lema "Nem Macron, nem Le Pen" ressoou na semana passada na Sorbonne ocupada por estudantes.

O debate televisivo será, portanto, crucial, já que parte do eleitorado o assistirá "na esperança" de "confirmar uma escolha" ou que os ajude finalmente a tomar uma decisão, segundo Riviere. 

A candidata do Reagrupamento Nacional (RN), de 53 anos, deve romper a tendência favorável de seu rival, de 44 anos, do partido A República em Marcha (LREM), que agita, como em 2017 - quando derrotou Le Pen -, o medo da chegada da extrema-direita ao poder.

O debate de 2017 representou um desastre para Le Pen, que foi criticada por sua "agressividade" e "falta de preparo". Dias depois, reconheceu um "erro estratégico", um mea culpa que reiterou na atual campanha.

Como foi o caso de seu pai, Jean-Marie Le Pen, em 2002, a maioria dos candidatos derrotados no primeiro turno, assim como artistas, atletas e ex-presidentes, pediram votos para o atual presidente liberal ou contra a herdeira da Frente Nacional (FN).

A candidata se esforçou para mostrar uma imagem menos radical e aparecer como defensora do poder de compra no primeiro turno. Mas os temores voltaram quando o foco recaiu sobre seu programa de governo e internacional.

Le Pen, vista como próxima da Rússia de Vladimir Putin, propõe o abandono do comando integrado da Otan, que define a estratégia militar da Aliança, e sua eleição representaria mais um revés para a União Europeia após a reeleição do húngaro Viktor Orban..

"Autoritários demais" 
Ao contrário de 2017, quando com 66,1% dos votos foi proclamado presidente pela primeira vez, Macron deve agora defender sua gestão, marcada por crises: protestos sociais, pandemia de coronavírus, consequências da guerra na Ucrânia.

O 'leitmotiv' do seu programa é recuperar o impulso reformista e liberal que as crises o obrigaram a suspender, como o aumento da idade de aposentadoria de 62 para 65 anos. Para atrair os eleitores de esquerda, disse estar disposto a alterar para 64 anos.

Le Pen aproveitou essa proposta impopular e a preocupação dos franceses com o aumento da inflação para reforçar a imagem de Macron como "presidente dos ricos", que galvanizou o protesto social dos "coletes amarelos" em 2018 e 2019. 

De acordo com as pesquisas Ipsos/Sopra Steria, quase metade dos franceses considera os candidatos "autoritários demais".

Le Pen é considerada como a que melhor entende os problemas do povo, enquanto Macron tem uma melhor imagem internacional. 

No domingo à noite será conhecido o nome de quem vai presidir a França nos próximos cinco anos e começará a campanha legislativa de junho, que definirá com que maioria parlamentar governará, algo incerto em um tabuleiro político em recomposição. 

O esquerdista Mélenchon, que com 22% chegou perto do segundo turno, pediu aos franceses na terça-feira que o tornem "primeiro-ministro" durante o "terceiro turno" da presidencial, ou seja, nas legislativas de 12 e 19 de junho.

Veja também

Trump tenta impedir que Kamala Harris use recursos arrecadados por Biden
EUA

Trump tenta impedir que Kamala Harris use recursos arrecadados por Biden

TSE desiste de mandar observadores para eleições da Venezuela após fala de Maduro
Venezuela

TSE desiste de mandar observadores para eleições da Venezuela após fala de Maduro

Newsletter