Internacional

Macron pede 'solidariedade' europeia a Berlim diante do aumento dos preços da energia

O presidente francês alertou que o plano maciço alemão para ajudar seus próprios consumidores envolveria potenciais "distorções"

Presidente da França, Emmanuel MacronPresidente da França, Emmanuel Macron - Foto: Julien de Rosa / AFP

O presidente francês, Emmanuel Macron, pediu neste domingo que a Alemanha mostre "solidariedade" europeia diante do aumento dos preços da energia, alertando que o plano maciço alemão para ajudar seus próprios consumidores envolveria potenciais "distorções".

"Não podemos ficar com as políticas nacionais porque isso cria distorções no continente europeu", disse Macron em entrevista ao jornal francês Les Echos, a ser publicada na segunda-feira.

"Como aconteceu durante a crise da covid-19, este é o momento da verdade para a nossa Europa (...) Devemos agir com unidade e solidariedade", exortou.

O governo alemão de Olaf Scholz foi acusado de agir sozinho com seu plano de apoio de 200 bilhões de euros para proteger as residências e empresas de seu país, e está sob pressão de vários parceiros da União Europeia para demonstrar mais solidariedade financeira.

"Se queremos ser coerentes, não são as estratégias nacionais que devem ser adotadas, mas sim uma estratégia europeia", pediu Macron.

No entanto, Macron disse estar confiante "na força do relacionamento franco-alemão" e em sua "capacidade conjunta de realizar uma estratégia ambiciosa".

Durante uma cúpula que será realizada na quinta e sexta-feira em Bruxelas, os líderes da União Europeia vão tentar dar uma resposta comum ao aumento dos preços da energia, causado pela guerra na Ucrânia.

"Existe solidariedade europeia com a Alemanha e é normal que exista solidariedade entre Alemanha e Europa!", insistiu o presidente francês.

Veja também

Violência crescente no México: sete corpos são encontrados com sinais de violência no oeste do país
MÉXICO

Violência crescente no México: sete corpos são encontrados com sinais de violência no oeste do país

Milei abre frentes de conflito com sindicatos, movimentos sociais, Igreja e artistas
ARGENTINA

Milei abre frentes de conflito com sindicatos, movimentos sociais, Igreja e artistas