Macron rebate acusação de ingerência e lembra que França tem fronteira com Amazônia

Ao fazer o anúncio, presidente francês enfatizou que o fogo na floresta afeta diretamente nove países, inclusive a França

Presidente francês Emmanuel Macron em encontro da cúpula do G7Presidente francês Emmanuel Macron em encontro da cúpula do G7 - Foto: Jacques Witt / POOL / AFP

A cúpula do G7 chegou nesta segunda-feira (26) a um acordo para ajudar a combater as queimadas na Floresta Amazônica. Os líderes do grupo -formado por Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido- concordaram em liberar 20 milhões de euros (cerca de R$ 91 milhões) para a Amazônia. A maior parte do montante será usada para enviar aviões de combate a incêndios, informou uma fonte da Presidência francesa.

O grupo das sete maiores economias do mundo também decidiu apoiar um plano de reflorestamento de médio prazo que será divulgado pela ONU em setembro, acrescentou um assessor presidencial. O presidente dos EUA, Donald Trump, não participou da reunião em que foi fechado o acordo. Mas o presidente francês, Emmanuel Macron, anfitrião da cúpula, afirmou que o colega americano apoia a iniciativa. Segundo ele, Trump só não participou da sessão sobre biodiversidade porque tinha reuniões bilaterais agendadas para o mesmo horário.

Leia também:
G7 vai desbloquear ajuda de emergência para combate de queimadas na Amazônia
Bolsonaro rebate Macron e diz que ele potencializa ódio contra o Brasil
Macron lamenta declarações 'extraordinariamente desrespeitosas' de Bolsonaro sobre sua esposa

O G7 está reunido desde sábado (24) na cidade de Biarritz, na França, e as queimadas na região amazônica se tornaram uma das principais pautas do encontro. Ao fazer o anúncio, o líder do país anfitrião enfatizou que o fogo na floresta afeta diretamente nove países, inclusive a França -a Guiana é um departamento da nação europeia.

Segundo Macron, por causa disso, nenhum governo pode querer responder sozinho à emergência, "ainda que seja preciso respeitar a soberania nacional". Era um aceno claro a Jair Bolsonaro, que reclamou da suposta ingerência estrangeira na gestão da crise.

O presidente francês disse ainda que a iniciativa conjunta a ser apresentada na Assembleia-Geral da ONU "será inclusiva", ou seja, definirá atribuições para cada país da região amazônica. A reação do governo brasileiro diante da gravidade dos incêndios, que vieram a conhecimento do público na semana passada, provocou indignação internacional e uma onda de protestos.

Veja também

Pacientes com câncer são acompanhados por teleconsulta em Pernambuco
Saúde

Pacientes com câncer são acompanhados por teleconsulta em Pernambuco

Direita alemã demite membro que sugeriu mandar imigrantes para câmara de gás
mundo

Direita alemã demite membro que sugeriu mandar imigrantes para câmara de gás