Diplomacia

Maduro reitera convite a Biden para iniciar "nova era" nas relações EUA-Venezuela

Presidente da Venezuela rompeu relações com os Estados Unidos em janeiro de 2019, quando Washington reconheceu o opositor Juan Guaidó como "presidente interino"

Nicolás Maduro, presidente da VenezuelaNicolás Maduro, presidente da Venezuela - Foto: Zurimar Campos/ Venezuelan Presidency / AFP

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, reiterou nesta terça-feira (28) o convite ao seu contraparte dos Estados Unidos, Joe Biden, para iniciar uma "nova era" nas relações entre os dois países, baseada no "respeito" e com o levantamento das sanções econômicas.

"Vamos começar um novo tempo, uma nova era de relações de respeito e colaboração no mais alto nível entre os Estados Unidos e a Venezuela. Estamos preparados, estamos prontos, queremos isso", disse o mandatário durante uma reunião do Conselho Nacional de Economia.

"É o consenso de todos os setores políticos, religiosos, culturais e sociais da Venezuela. Poderoso consenso, novas relações entre os Estados Unidos e a Venezuela, baseadas no respeito", continuou.

Maduro rompeu relações com os Estados Unidos em janeiro de 2019, quando Washington reconheceu o opositor Juan Guaidó como "presidente interino" após ele se autoproclamar em uma praça diante de uma multidão.

O apoio da Casa Branca a Guaidó ocorreu após considerar a reeleição de Maduro em 2018 como "fraudulenta". Nos últimos meses, Washington e Caracas tiveram alguns aproximações devido a interesses energéticos.

No entanto, o chefe da diplomacia dos Estados Unidos para a América Latina, Brian Nichols, disse em outubro passado que os Estados Unidos "não estão" prontos para "uma mudança nas relações diplomáticas" com a Venezuela.

Sua declaração ocorreu após o governo de Biden anunciar um levantamento temporário das sanções econômicas ao petróleo, gás e ouro da Venezuela, em troca de um acordo alcançado entre Maduro e a oposição sobre as condições para as eleições presidenciais de 2024.

Washington também deixou claro que, se o governo de Maduro violar o acordo com a oposição, pode reimpor as sanções.

O secretário de Estado americano, Antony Blinken, também pediu a Maduro que defina um cronograma para o levantamento das inelegibilidades políticas de possíveis candidatos da oposição antes do final de novembro.

No entanto, Maduro reiterou que a Venezuela não aceita "chantagens" e clamou novamente pelo levantamento definitivo das sanções.

"Todo o povo venezuelano, toda a Venezuela, por consenso, exige que todas as sanções à sua economia sejam levantadas de maneira permanente e definitiva", disse.

Veja também

Advogado de 77 anos mata eletricista no bairro de Parnamirim, na Zona Norte do Recife
Homicídio

Advogado de 77 anos mata eletricista no bairro de Parnamirim, na Zona Norte do Recife

'Quem vai me chamar de mãe agora?', diz palestina que perdeu bebês gêmeos em bombardeio em Gaza
GUERRA NO ORIENTE MÉDIO

'Quem vai me chamar de mãe agora?', diz palestina que perdeu bebês gêmeos em bombardeio em Gaza