Notícias

Maia descarta retorno das atividades presenciais na Câmara

Atualmente, as votações têm sido realizadas por sessão virtual e apenas um parlamentar por partido pode permanecer presencialmente no plenário, usando máscara

Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo MaiaPresidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia - Foto: Najara Araújo/Câmara dos Deputados

O presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), descartou nessa quarta-feira (6) que as atividades da Casa possam se normalizar caso haja flexibilização do isolamento social no Distrito Federal, previsto para acontecer a partir da próxima segunda-feira (11). Atualmente, as votações têm sido realizadas por sessão virtual e apenas um parlamentar por partido pode permanecer presencialmente no plenário, usando máscara.

“Não podemos esquecer que, no início, Brasília tinha a pior situação do Brasil e isso melhorou graças ao trabalho do governador Ibaneis e sua equipe. Se já está na hora de reduzir o isolamento, é uma decisão técnica do meu ponto de vista, e cabe ao governador avaliar se tem as condições para liberar. O que a gente não pode é errar na liberação, com o fim do isolamento, e gerar uma segunda onda muito mais forte”, disse o deputado, em coletiva à imprensa.

Segundo Maia, a malha aérea ainda não foi normalizada, o que inviabiliza o trânsito de parlamentares que se deslocam semanalmente de todo o país para as votações no plenário da Câmara, na capital federal. O congressista disse que o plenário da Casa ainda não tem condições para garantir a segurança sanitária de centenas de pessoas.

Leia também:
Câmara dos Deputados regulamenta sistema de votação remota
Senado aprova projeto de socorro a estados e municípios e reduz economia com salários de servidores
Maia nega fazer 'obstrução' ao país e diz que Bolsonaro tem direito de negociar com centrão


“Tem muitos parlamentares e servidores que estão com idade acima de 60 anos. Então, como se colocar esse plenário, com [uma média de] 250 deputados, assessores, imprensa e não ter como chegar à Brasília. Em Maio, a malha aérea não melhorou quase nada. Junho parece que melhora um pouquinho. Mas, como nós fazemos, primeiro, para que os parlamentares possam ir e voltar? Segundo, como se coloca nesse plenário, com pouca circulação de ar, uma grande quantidade de pessoas? Então, não é uma decisão que nós podemos tomar baseada na decisão de Brasília de reduzir o isolamento”, assegurou o deputado.

Combate à Covid-19
Segundo Maia, na próxima sexta-feira (8) estarão na pauta do plenário dois projetos relacionados ao enfrentamento ao novo coronavírus. O primeiro deles trata da obrigatoriedade da utilização de máscaras em todo território nacional. O projeto de lei de autoria do deputado Pedro Lucas Fernandes (PTB-MA) prevê a obrigatoriedade do uso de máscaras de proteção para circulação em locais públicos. Pelo texto, as forças de segurança poderão ser usadas para que a medida seja, de fato, implementada.

“Tendo em vista que foi amplamente noticiado no decorrer da semana que estudos publicados confirmam que o novo coronavírus também circula no ar, em uma distância e por um tempo relativamente longo, torna-se imperiosa a adoção de medida que obrigue o uso de máscaras de proteção, mesmo que de fabricação artesanal, por toda e qualquer pessoa durante a circulação em logradouros, instalações, edificações ou áreas de acesso públicos”, argumentou o deputado ao defender a medida.

Respiradores
A Câmara deve analisar também a proposta que simplifica e flexibiliza as exigências técnicas sanitárias previstas para o registro de ventiladores e respiradores pulmonares durante a pandemia de Covid-19. O texto prevê que esse registro deve ter critérios que facilitem o processo de autorização, fabricação, comercialização, instalação e utilização e também viabilizar a produção rápida e de grandes quantidades com o objetivo de atender o aumento da demanda por esse tipo de equipamento em função da pandemia.

O projeto de lei determina que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) terá o prazo de 72 horas para analisar a documentação relacionada com o pedido de registro sanitário dos equipamentos, desde que preenchidas as exigências feitas pela agência reguladora e comunicadas pendências ao fabricante interessado para o saneamento em até 48 horas.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

Veja também

Ministério de Damares abre canal de denúncias para ouvir queixas de pessoas antivacinaDireitos Humanos

Ministério de Damares abre canal de denúncias para ouvir queixas de pessoas antivacina

Biden promete apoio à Ucrânia em telefonema com presidente da UcrâniaEUA e Ucrânia

Biden promete apoio à Ucrânia em telefonema com presidente da Ucrânia