MEIO AMBIENTE

Maior biodiversidade da Amazônia e Terras Indígenas estão ameaçadas por construção de rodovia

Local de execução do plano, o Parque Nacional da Serra do Divisor (PNSD), no Sudoeste do Acre, é uma Unidade de Conservação (UC)

Foto: Sérgio Vale / Agência de Notícias do Acre

A maior biodiversidade da Amazônia e a proteção de Territórios Indígenas (TIs) sofrem ameaça com o projeto de construção da rodovia Pucallpa-Cruzeiro do Sul, que pretende ligar o Brasil ao Peru.

Local de execução do plano, o Parque Nacional da Serra do Divisor (PNSD), no Sudoeste do Acre, é uma Unidade de Conservação (UC) que tem tido um controle de preservação eficaz: em 30 anos, o local perdeu apenas 1% da sua cobertura florestal, em comparação aos 10% do entorno. 

O dado é do estudo realizado por pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, da Universidade Federal do Acre e da University of Richmond, publicado na revista “Environmental Conservation” nesta sexta-feira (22).  Para entender como a região vem sendo explorada, imagens de satélite foram analisadas para acompanhar a dinâmica da mudança do uso do solo por 30 anos, entre 1988 e 2018

O projeto viário, promovido pelo Governo Federal e o governo regional da cidade peruana de Ucayali, pretende conectar comercialmente o Acre à Ucayali e aos portos do país vizinho e deverá cortar os Parques Nacionais nos dois países. 

Além de atravessar terras indígenas e zonas de narcotraficantes no Peru, pesquisadores alertam para o aumento do desmatamento em áreas mais internas da Serra e a possibilidade da construção de outras vias secundárias. De acordo com a pesquisadora Sonaira Silva, essa via também trará outros prejuízos ambientais.

“O benefício econômico que o Governo Federal justifica para a construção dessa rodovia é questionável, já que existe a Rota Interoceânica Sul (IOS) no leste do Acre, que liga Rio Branco aos portos do Pacífico no Peru desde o final de 2000. A construção dessa nova via pode trazer uma especulação imobiliária a região, criar polos de caças ilegal aos animais, aumentar a vulnerabilidade social da população locais e facilitar o tráfico de drogas na Amazônia”, explica a pesquisadora da UFAC, Sonaira Silva.

Outro ponto levantado no estudo é a reclassificação da Serra do Divisor de Unidade de Conservação (UC) para Área de Proteção Ambiental (APA), o que permitiria a extração de recursos naturais. O projeto de Lei 6024/2019 pretende colaborar com o avanço do trecho da BR-364 para se chegar até o Peru, bem como explorar comercialmente a região.
 
“Esse projeto precisa levar em conta também a opinião das 400 famílias que vivem na região do Parque e dependem dele para sobreviver. Abrir caminho da mata fechada vai trazer sérios impactos como aumento do desmatamento, a biodiversidade endêmica e todas as demais espécies e no próprio regime climático regional e continental”, alerta Sonaira.
 
Terras Indígenas 
A região da Serra do Divisor é local da demarcação da Terra Indígena Nukini. O povo indígena Nawa, que foi expulso das terras originárias e luta há 22 anos pela demarcação oficial do seu território, autodemarcaram a margem direita do Rio Moa, que também fica dentro do PNSD.

O comunicador Tarisson Nawa conta que o projeto significa forte risco para os povos originários: "A estrada representa a morte do meu povo, que passou por processos históricos violentos. É mais um mecanismo de violentar os povos indígenas, não se pensa no aumento do desmatamento e do narcotráfico". 

"Esse grande empreendimento vai afetar não só a vida dos nossos povos que estão passando por uma situação de risco, como também a continuidade da nossa cultura que há tempos é atacada. Nós fomos forçados a sair do nosso território ancestral porque o houve a transformação dos territórios indígenas em grandes cidades no Acre, como a cidade Cruzeiro do Sul, que era o nosso território ancestral. Então, o que vai acontecer é um processo violento de matança física e cultural do nosso povo", acrescenta.

O projeto também corta cerca de dez comunidades indígenas na região da Amazônia peruana. 


 
Biodiversidade
O Parque Nacional da Serra do Divisor é o quarto maior do país e concentra com registro de 1.233 espécies animais, sendo 90 consideradas de valor especial para a conservação (76 de vertebrados e 14 de invertebrados) de acordo com o Instituto Socioambiental (ISA). 

O local também é abrigo de diversos animais ameaçados de extinção, como o macaco uacari-vermelho, mico-do-cheiro, onça-pintada, anta, preguiça, quati, tartaruga tracajá, boto-vermelho, tamanduá-bandeira, lontra, tatu-canastra, macaco-cara-de-sola, pacarana, jabuti e o jacaré-tinga.

Ainda de acordo com o Instituto Socioambiental (ISA), a UC possui em seu território 100 espécies de anfíbios, 30 de répteis, 14 de primatas, 55 de morcegos, 400 de aranhas e insetos e 64 espécies de abelhas, além das 500 espécies de ave, como o papagaio e o araçari-castanho. 

Veja também

De homem ativo a um corpo "em estado caquético": quem era "Tio Paulo", levado para banco
Rio de Janeiro

De homem ativo a um corpo "em estado caquético": quem era "Tio Paulo", levado para banco

Apenas 22% do público-alvo se vacinou contra a gripe
dengue

Apenas 22% do público-alvo se vacinou contra a gripe

Newsletter