Vacinação

Mais de 11 mi de vacinas da Covid-19 são aplicadas em municípios fora da residência dos vacinados

A pesquisa foi feita para Fiocruz

Vacinação contra Covid-19Vacinação contra Covid-19 - Foto: Divulgação/Secom/Ipojuca

Um levantamento feito pelo Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde da Fiocruz (Icict/Fiocruz) aponta que uma em cada seis doses das vacinas contra Covid-19 aplicadas no país foi feita em um município diferente daquele de residência do vacinado.

Com isso, 11,3 milhões de doses, ou 15% do total, foram recebidas por pessoas que se deslocaram em média 252 km para receber a vacina -em alguns casos, esses deslocamentos chegaram a até 3.000 km.

Os dados da nota técnica foram extraídos do painel Open Data Sus, do Ministério da Saúde, que inclui as informações do Plano Nacional de Imunizações.

O estudo considerou a aplicação da primeira e da segunda doses da vacina desde o início da campanha, no dia 17 de janeiro, até o dia 16 de junho, contabilizando um total 73.828.821 registros.

A análise aponta que, dos 5.570 municípios brasileiros, 2.886 (51%) aplicaram menos doses para cada cem habitantes do que a média nacional, de 23. No plano nacional, a vacinação fora do município de residência está na faixa de 11% a 25%.


"Existem dois fluxos que observamos nessa análise, o primeiro de pessoas que são residentes em um município e trabalham em outro e não conseguem se vacinar no seu local de moradia porque o posto de vacinação já está fechado quando retornam do trabalho. O outro fluxo é de pessoas que buscam municípios do entorno por já estarem adiantados no calendário de vacinação", explica Diego Xavier, pesquisador do Icict e responsável pela nota.

 



Apesar de a vacinação ter começado em todo o país em janeiro, o avanço nas faixas etárias após a imunização dos grupos prioritários fez com que houvesse um salto a partir de maio na aplicação de vacinas fora do local de residência.

Com a chegada de mais doses de imunizantes no último mês, diversos governadores estaduais e prefeitos decidiram antecipar a vacinação de faixas etárias mais jovens mesmo sem ainda completar a imunização dos grupos já contemplados.
Isso, somado ao que chama de "populações pendulares", que são essas pessoas que trabalham em uma cidade maior ou nas capitais, mas moram na região metropolitana,influenciou o chamado "apagão" de vacinas em algumas capitais e regiões, segundo o pesquisador.

"Quem trabalha com políticas públicas em saúde sabe que não existem fronteiras municipais para o SUS. Você não consegue impedir uma pessoa de ser atendida em uma unidade hospitalar de um município vizinho, e é assim que funciona o sistema único. Na questão das vacinas, isso deveria ter sido considerado e conversado justamente para evitar esses problemas", diz Xavier.

Os pesquisadores listaram os 25 municípios com o maior número de doses aplicadas fora da cidade de residência. Em primeiro lugar, vem Guarulhos, com 101.681 doses de residentes aplicadas na cidade de São Paulo. Em seguida, Duque de Caxias, no Rio de Janeiro, com 47.507 doses aplicadas no Rio; Contagem (MG), com 39.443 doses aplicadas na capital mineira; Osasco (SP), com 37.715 doses injetadas na cidade de São Paulo, e Olinda (PE), com 35.695 doses em Recife (PE).

No caso de São Paulo capital, Santo André (35.236), Diadema (27.758), Taboão da Serra (27.650) e São Bernardo do Campo (27.119) também entraram na lista. Viajantes de outras capitais também vieram para o município de São Paulo buscar imunizantes, contabilizando cerca de 30 mil doses para o plano municipal.

Na última terça (22), a cidade de São Paulo teve que paralisar a vacinação contra Covid-19 por falta de doses. Mas mesmo com os agravantes que a vacinação de indivíduos de fora traz para o município, Xavier não defende a imposição de barreiras, como a exigência do comprovante de residência –adotada em São Paulo desde o dia 29 de maio.

"Os postos de vacinação viram cartórios, onde é preciso comprovar sua moradia. Mas essa é uma medida criada para solucionar um problema que gera outro problema", avalia. Uma solução seria, além de ampliar o horário de funcionamento dos postos, colocar mais funcionários vacinando e uma coordenação a nível estadual e nacional que considere esses fluxos.

Da mesma maneira, o anúncio dos calendários de vacinação, que recentemente se tornou uma disputa considerada "saudável" -como disse o ministro da Saúde Marcelo Queiroga ao antecipar o calendário nacional depois do anúncio feito pelo governador de São Paulo, João Doria (PSDB) de vacinar toda a população adulta paulista até 15 de setembro—, pode criar expectativas irreais na população e, depois, frustrações, diz o pesquisador.

"As pessoas que possuem meios, como tempo e um veículo, uma forma de se deslocar, vão fazer, e aqueles trabalhadores da periferia que não conseguem se vacinar nem no município de residência, porque estão fora no horário comercial, nem na cidade em que trabalham por exigências de comprovante, vão ficar para trás. Isso só aumenta a desigualdade vacinal no país", afirma.

Há também a busca por imunizantes específicos, como é o caso da vacina da Pfizer/BioNTech, cuja procura gera filas em alguns postos enquanto outros permanecem vazios. Essa é mais uma falha na coordenação do plano nacional e na estratégia de comunicação, de assegurar que todas as vacinas são eficazes e protegem contra casos graves e óbitos.

"Essa tendência [da procura] pode apresentar um agravamento nos próximos meses à medida que ocorre uma antecipação de faixas etárias e criam-se divergências nos calendários de vacinação, antecipando grupos populacionais e eventualmente trazendo risco para aplicação de segundas doses", diz a nota técnica.

 

Veja também

Agosto Dourado reforça a importância da amamentação
Papo de Primeira

Agosto Dourado reforça a importância da amamentação

Mamógrafo móvel do Recife disponibiliza 1.380 vagas para exames em agosto
Prevenção

Mamógrafo móvel do Recife disponibiliza 1.380 vagas para exames em agosto