Mais de 200 pessoas com sintomas da Covid-19 aguardam UTI no Rio

O estado ainda não tem hospitais de campanha funcionando e vê as unidades de saúde com superlotação

Desinfecção de ruas no Rio de JaneiroDesinfecção de ruas no Rio de Janeiro - Foto: MAURO PIMENTEL / AFP

Mais de 200 pessoas internadas na rede estadual de saúde do Rio, com sintomas de Covid-19 ou confirmação de contaminação pelo novo coronavírus, aguardam transferência para leitos de Unidade de Terapia Intensiva nas redes municipal, estadual ou federal.

Com exceção do Hospital Regional Zilda Arns, no interior do estado, todos os leitos exclusivos para a Covid-19 estão ocupados, conforme informou a secretaria de saúde à reportagem. No momento, 773 pacientes estão internados na capital com sintomas ou confirmação da doença, sendo 261 em UTI. Unidades menores, como clínicas da família, UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) e CERs (Coordenações de Emergência Regionais) estão lotadas, sem conseguir transferir pacientes.

O Rio ainda não tem hospitais de campanha em funcionamento. A secretaria estadual de saúde afirma que o primeiro, no Leblon (zona sul), será inaugurado neste sábado (25), com 200 leitos, sendo 100 de UTI. Outra unidade, no Maracanã (zona norte), com 400 leitos, tem previsão de abertura nos primeiros dias de maio.

Leia também:
Morre o segundo funcionário do SBT no Rio de Janeiro por coronavírus
Abandonados em meio à pandemia, indígenas da Amazônia clamam por ajuda
Pernambuco registra 395 novos infectados e 40 mortes pela Covid-19 em 24h


Já o hospital de campanha da Prefeitura, no Riocentro (zona oeste), começará a funcionar no dia 1° de maio, segundo o prefeito Marcelo Crivella (Republicanos). A unidade terá 500 leitos disponíveis, sendo 100 de UTI. As obras ficaram prontas no último domingo (19), mas o hospital ainda não está recebendo pacientes porque faltam funcionários e respiradores.

Crivella afirma que 200 respiradores e 40 monitores serão trazidos da China na próxima semana, em um voo da Vale. A Prefeitura ainda negocia outros voos para trazer mais 300 respiradores, 70 carrinhos de anestesia, 400 monitores e um milhão de EPIs (Equipamentos de Proteção Individual).

A Prefeitura diz que está em processo de contratação temporária de mais de cinco mil profissionais da saúde. Crivella afirma que tem conversado com prefeitos de outras cidades e governadores de estados menos impactados pela Covid-19 para trazer ao Rio os médicos necessários. Além da remuneração, será oferecido a esses profissionais estadia em hotéis enquanto estiverem trabalhando em hospitais de campanha.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

 

Veja também

Vaticano julga cardeal por escândalo financeiro
Religião

Vaticano julga cardeal por escândalo financeiro

País regrediu 20 anos na educação com pandemia, diz secretário
Educação

País regrediu 20 anos na educação com pandemia, diz secretário