Mais dois prédios da UFPE são ocupados por alunos contrários à PEC 241

Agora, a universidade tem cinco centros com estudantes acampados

Afagos entre Lula e Câmara: aliança à vista?Afagos entre Lula e Câmara: aliança à vista? - Foto: Ricardo Stuckert/ Instituto Lula

Mais dois prédios da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) foram ocupados nesta quinta-feira (27) por estudantes. Os alunos, que são contra reformas do governo do presidente de Michel Temer, se instalaram no Centro de Artes e Comunicação (CAC) e no Núcleo Integrado de Atividades de Ensino do Centro de Filosofia e Ciências Humanas (Niate/CFCH).

Os alunos se posicionam contra a PEC 241, que estabelece um teto para os gastos públicos, e a MP 764, a Reforma do Ensino Médio.

Com as ocupações desta quinta, a UFPE conta com cinco centros ocupados. Além do CAC e do Niate, o próprio CFCH e o Centro de Educação (CE) do Campus Recife têm presença de manifestantes. Já o Centro Acadêmico de Vitória (CAV), em Vitória de Santo Antão, na Zona da Mata pernambucana, está lotado de alunos há cerca de duas semanas.

Leia mais:
Estudantes ocupam prédio da UFRPE contra reformas do Governo Federal
Estudantes da UPE ocupam reitoria da instituição
Em Pernambuco, 7 mil feras estão com o Enem ameaçado
Alunos são algemados após serem retirados de escola ocupada no Tocantins 

Carta à comunidade 

A liderança das ocupações na UFPE divulgou nesta sexta-feira carta aberta em que explica as reivindicações do movimento. Além da PEC 241, o movimento se posiciona contra a MP 764, conhecida como a Reforma do Ensino Médio, e coloca assuntos internos da universidade, como a homologação de um novo estatuto da UFPE.

Confira a íntegra do documento:

"CARTA ABERTA DA OCUPAÇÃO À COMUNIDADE

Em momentos de crise estrutural no país, o corte dos direitos essenciais das/os cidadãs/ãos é uma prática constante, em que o Estado, em detrimento da garantia dos direitos básicos, executa cortes autoritários em setores fundamentais, como saúde e educação, sob uma pretensa ideia de democracia representativa. Um exemplo dessa prática tem sido verificado na criação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 241, a qual, em defesa de uma educação tecnicista e mecânica, impõe o congelamento de gastos na educação e na saúde pelos próximos 20 anos, provocando maior precarização desses serviços.

Como a comunidade acadêmica da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) já conhece, as mobilizações contra reforma do Ensino Médio e da PEC 241 só vêm aumentando. No Brasil, são quase 1000 instituições de ensino médio, técnico e universitário ocupadas, não sendo diferente na UFPE, que teve o Centro Acadêmico de Vitória (CAV) como pioneiro nos processos de ocupação. A luta atingiu novas proporções nessa segunda-feira, dia 24, em Recife, quando estudantes acordaram a cidade com fúria e garra paralisando as aulas da UFPE, trancando a BR-101 e as entradas que dão acesso à Universidade por mais de três horas. Durante o trancaço, diversas/os estudantes, com caráter plural e suprapartidário, iniciaram a ocupação no Centro de Educação e, posteriormente, em torno de 400 outras/os estudantes de distintos cursos, ao longo do dia, ocuparam o Centro com apoio de professoras/es, técnicas/os e os movimentos do Comando Unificado de Mobilização.

Na terça-feira, 25, estudantes decidiram ocupar o Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFCH) com o objetivo de expandir a luta, fomentando a mobilização. Assim, esta é uma oportunidade imprescindível para reivindicarmos melhores condições estruturais neste prédio, como a colocação de chuveiros nos banheiros, a instalação de bebedouros, climatização nas salas de aula, o fortalecimento da segurança para as mulheres a fim de evitar assédios e estupros, a efetiva investigação de professoras/es deste centro acusadas/os de assédio moral e/ou sexual. Com isso, fortelecemos a luta e acreditamos em sua expansão por todo o campus, com vistas à GREVE GERAL.

As reivindicações da ocupação continuam a ser as pautas que o movimento estudantil da UFPE vem pautando ao longo dos últimos anos, sendo estas de caráter interno como: a luta contra os cortes na Universidade, a exigência imediata da Homologação do Novo Estatuto, a revogação dos processos contra as/os estudantes que participaram da última ocupação na reitoria desta Universidade, bem como do ofício do Ministério da Educação (MEC), o qual exige que as/os diretoras/es dos Institutos Federais de Educação identifiquem as/os alunas/os que participaram das ocupações. Já somando luta às demais ocupações da nossa sociedade, as/os ocupantes levantam bandeiras de indignção à Medida Provisória (MP) 764, imposta pelo MEC sem consulta e construção dos movimentos sociais, comunidade e profissionais da Educação.

Nesse sentido, comprendemos a importância desta discussão abranger as/os terceirizadas/os e as/os ambulantes da UFPE, além de ultrapassar os muros da Universidade, não esquecendo de trazer para nossa luta a comunidade em geral, as/os trabalhadoras/es, as centrais sindicais, as escolas públicas e os conselhos municipais de educação. Diante disso, convidamos toda a comunidade e setores da sociedade que simpatizam com a causa, já que compreendemos que é momento de luta unificada. Participar da ocupação, dos atos da UFPE, das intervenções pelas cidades, manter diálogo entre as diversas esferas são compromissos que devemos assumir. JUNTAS/OS SOMOS MAIS FORTES.

Quem tem que discutir as politicas educacionais não são os banqueiros, mas sim, quem está ligada/o e conhece as realidades enfrentadas diariamente. Nesse sentido, manifestamos o nosso apoio às ocupações dos Institutos Federais, das escolas secundaristas, da Universidade de Pernambuco (UPE), da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), bem como à mobilização das/os técnicas/os da UFPE, primeira categoria a decretar greve nesta instituição e às demais resistências. A luta que se faz aqui saúda a luta de todas essas mobilizações, pois acreditamos que podemos construir um mundo novo. Se há braços, há luta.

Comissão de Comunicação
Ocupa UFPE"

Veja também

Terceiro policial envolvido na morte de Floyd paga fiança de US$ 3,9 milhões e deixa prisão
Crime

Terceiro policial envolvido na morte de Floyd paga fiança de US$ 3,9 milhões e deixa prisão

Brasil ultrapassa 1,6 milhão de casos confirmados de Covid-19
Covid-19

Brasil ultrapassa 1,6 milhão de casos confirmados de Covid-19