Manipular números é lealdade militar burra e genocida, diz Mandetta

"Não informar corretamente significa que o estado pode ser mais nocivo do que a doença", afirma ele

Ex-Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta Ex-Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta  - Foto: Isac Nóbrega/PR

O ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou neste sábado (6) que a decisão do Ministério da Saúde de não mais divulgar o total do número de casos e de morte pela Covid-19 "é uma tragédia".

"Não informar corretamente significa que o estado pode ser mais nocivo do que a doença", afirma ele. Mandetta participa neste sábado (6) de uma live com o ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federal), organizada pelo IDP (Instituto Brasiliense de Direito Público).

Leia também:
Ministério da Saúde vai recontar mortos pela Covid-19 porque diz ver 'dados fantasiosos'
Ministério da Saúde deixa de informar mortes e casos acumulados de Covid-19


Para ele, quando os números de epidemias começam a explodir, "é quase que uma atração fatal do indivíduo falar: 'e se a gente mudasse os números, maquiasse os números?'"

No caso da crise do novo coronavírus, esconder dados da população "seria mais do que isso. Seria uma plástica transformadora. Me parece que o que estão querendo fazer é uma grande cirurgia nos números".

O combate a uma doença como a Covid-19, que não tem cura nem vacina, dependeria hoje exclusivamente do comportamento social das pessoas -e, para se proteger, elas teriam que estar bem informadas, diz o ex-ministro.

Mandetta afirma ainda que, quando saiu do governo, chegou a pensar que o fato poderia levar o presidente Jair Bolsonaro a refletir, já que ele se opunha frontalmente ao ex-ministro.

"Entrou o Nelson Teich, que é médico, e foi a mesma coisa. Quer dizer, não era uma coisa [problema] comigo. Era uma coisa de não querer nenhuma tomada de decisões que não fossem decisões políticas", afirma. Depois da saída de Teich, os militares tomaram de vez o ministério. O general Eduardo Pazuello foi oficializado como titular da pasta.

Mandetta diz que, "talvez nomeando alguém que não tem muito compromisso com o setor de saúde", mas sim com uma cultura militar, de lealdade e de cumprimento de missão, ficaria mais fácil "manipular e torcer os números".

Segundo ele, a atitude seria de lealdade, mas uma "lealdade burra e genocida".
"Talvez seja isso o que a gente vá presenciar: uma grande noite da ciência", disse ele.

Veja também

Pesquisa: cepa do Amazonas do coronavírus gera mais carga viral
Pandemia

Pesquisa: cepa do Amazonas do coronavírus gera mais carga viral

IFA para produzir 12 milhões de doses de vacina chega ao Rio
Vacinação

IFA para produzir 12 milhões de doses de vacina chega ao Rio