Maracanã terá hospital, mas poupa gramado para clubes cariocas

Enquanto Flamengo e Fluminense preferiam que o hospital fosse construído na área do antigo Célio de Barros, o governador Wilson Witzel (PSC) preferia o campo do Maracanã

Estádio do MaracanãEstádio do Maracanã - Foto: Agif/Folhapress

Administrado por Flamengo e Fluminense, mas pertencente ao Governo do Estado do Rio de Janeiro, o estádio do Maracanã virará um hospital de campanha para ajudar no combate ao coronavírus. Diferente de São Paulo, onde o gramado do Pacaembu terá leitos para os pacientes, no Maior do Mundo, o campo será preservado a pedido dos clubes.

A praça esportiva será toda cedida ao Governo do Rio e utilizada como unidade hospitalar contra a covid-19, doença proveniente do coronavírus. O martelo demorou a ser batido em função da indecisão sobre qual espaço do complexo receberia os 400 leitos. A Secretaria Estadual de Saúde do Rio de Janeiro confirmou a informação.

Enquanto os clubes preferiam que o hospital fosse construído na área do antigo Célio de Barros, que não funciona mais como estádio de atletismo, o governador Wilson Witzel (PSC) preferia o campo do Maracanã. Cada um tinha seus motivos, mas ao fim, as partes chegaram a um acordo. O gramado será preservado e o Governo do Rio de Janeiro deve utilizar, além do Célio de Barros, o ginásio Maracanãzinho.

Leia também:
Náutico cede instalações do CT ao Governo para combate ao coronavírus
Santa Cruz coloca Arruda à disposição contra o coronavírus
Sport deixa estruturas à disposição para combater coronavírus

A dupla Fla-Flu se preocupava com a possibilidade de volta do futebol antes da liberação de todos os pacientes e também com o estado do gramado, enquanto o Governo preferia a imagem do estádio mais conhecido do mundo, também para equiparar-se ao governador João Dória (PSDB), governador de São Paulo. A instalação do Pacaembu, entretanto, é da Prefeitura de São Paulo, de seu aliado Bruno Covas, do mesmo partido.

Pelo grande espaço livre e plano (pelo menos 900 m²) e ao mesmo tempo protegido, estádios por todo o país têm sido adaptados para se tornarem hospitais de campanha. O primeiro a ficar pronto foi o do Estádio do Pacaembu, que é administrado pela iniciativa privada há apenas dois meses.

Lá, a Prefeitura de São Paulo montou um estádio com 200 leitos para pacientes de média e baixa complexidade, com isolamento, além de oito leitos de UTI. A construção foi feita em parceria com o Hospital Albert Einstein, que vai contratar cerca de 500 profissionais.

Veja também

Acidente de trânsito mata 37 no Mali
Mundo

Acidente de trânsito mata 37 no Mali

Cabo de Santo Agostinho inicia entrega de caderno de atividades para alunos da rede Municipal
Educação

Cabo de Santo Agostinho inicia entrega de caderno de atividades para alunos da rede Municipal