Marcelinha recebe alta hospitalar e ficará em home care

Menina estava internada desde o dia 26 de novembro quando um motorista bêbado provocou o acidente

Miguel Arruda da Motta Silveira e a filha Marcela SilveiraMiguel Arruda da Motta Silveira e a filha Marcela Silveira - Foto: Reprodução/Facebook

Vítima de um acidente de trânsito no bairro da Tamarineira, na Zona Norte do Recife,  a menina Marcela Guimarães da Motta Silveira, de cinco anos, receberá alta do Hospital Santa Joana nesta quarta-feira (24). A menina estava internada desde o dia 26 de novembro quando um motorista bêbado provocou o acidente que deixou três mortos.

Leia também:
Advogado Miguel Silveira emociona-se ao falar sobre tragédia na Tamarineira
Justiça nega prisão domiciliar a jovem que matou três em acidente na Tamarineira
Tragédia da Tamarineira: justiça nega pedido da defesa motorista continuará no Cotel


A menina vai receber tratamento home care. Embora não tenha acordado ainda nos quase 60 dias internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) pediátrica, ela atende a estímulos automáticos. Está comendo de colher e tomando líquidos pastosos por meio de canudo. O complemento da alimentação pra que não fique desnutrida é feito por meio de gastrostomia.

Marcelinha ficará em home care até o plano liberar a solicitação pra que ela coloque uma prótese do crânio, o que deverá ser feito daqui a dois ou três meses. Em casa, ela receberá atendimento de fonoaudiólogo e fisioterapeuta. Ainda não se sabe como a menina responderá após essa cirurgia de colocação da prótese. É depois do procedimento que será possível identificar se Marcelinha irá desenvolver as funções motoras e cognitivas. 

"Clinicamente falando, Marcela está bem melhor. O manuseio dela é bom, os estímulos automáticos estão bons e não está em estado vegetativo", disse a equipe médica. Durante o discurso do pai de Marcelinha, o advogado Miguel Arruda da Motta Silveira, agradeceu o apoio das pessoas, da equipe médica do Hospital da Restauração e Hospital Santa Joana.

Ele disse que vem recebendo diariamente mensagens de apoio e de solidariedade de grupos de oração e por meio de redes sociais. Preferiu prender-se a esse lado e não falar sobre inquérito policial ou opinar sobre a Justiça. Mas ao ser perguntado se ele atenderia ao pedido de perdão do pai do rapaz que causou a tragédia, Miguel foi enfático: "Quem pode julgar é Deus. Eu não estou aqui para perdoar nem julgar ninguém. Não sei a relação de pai para filho que ele tinha, a educação que ele dava. Posso falar de mim como pai. Mas tenho certeza de que ele cada um carregará uma cruz disso. Mas a que ele vai carregar sera uma cruz mais leve que a minha", informou.

Veja também

Sikêra Júnior diz que pediu para morrer no 14º dia doente
Covid-19

Sikêra Júnior diz que pediu para morrer no 14º dia doente

Praias de Ipojuca ficarão abertas das 4h às 16h para práticas esportivas individuais
IPOJUCA

Praias abertas das 4h às 16h para práticas esportivas individuais