SAÚDE

"Março Amarelo e Lilás": confira o que médica diz sobre mês de atenção à saúde feminina

Ainda que considerada benigna, a endometriose, na maioria das vezes, pode ser acompanhada de dores fortes contínuas

No Nordeste, a taxa do câncer de colo de útero fica em 17,59 casos a cada 100 mil, sendo o segundo mais incidenteNo Nordeste, a taxa do câncer de colo de útero fica em 17,59 casos a cada 100 mil, sendo o segundo mais incidente - Foto: Divulgação

O mês de março começa com cores para a conscientização, prevenção, diagnóstico precoce e tratamento da endometriose e do câncer de colo do útero. Um mês inteiro destinado a mobilizações como parte da campanha nacional “Março Amarelo e Lilás”. Muitas vezes negligenciadas por desinformação ou falta de acompanhamento médico regular, a endometriose e o câncer do colo do útero atingem milhões de brasileiras, comprometendo a saúde e a qualidade de vida dessas mulheres.

O movimento corresponde à luta para detecção e tratamento da endometriose. Esta condição afeta cerca de 176 milhões de mulheres em todo o mundo. São cerca de 7 milhões somente no Brasil, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

A endometriose é uma doença que ocorre quando a camada que reveste a parede interna do útero, chamada endométrio, cresce em outras regiões do corpo, causando lesões, inflamações e aderências entre os órgãos.

Como a endometriose é uma doença com padrão inflamatório, há uma modificação no funcionamento do organismo. Ela tem sido muito estudada nos últimos anos por especialistas, mas não há consenso sobre sua causa inicial, apesar de algumas teorias. Entre hipóteses para o problema, está a produção de estrogênio - resultado de fatores que vão da genética e estresse à inflamação no corpo. Neste caso da inflamação no corpo, com influência direta da alimentação da mulher.

Ainda que considerada benigna, a endometriose, na maioria das vezes, pode ser acompanhada de dores fortes contínuas (entre 80% e 90% das mulheres com endometriose têm dor exacerbada, como cólicas menstruais e dores nas relações sexuais), dor pélvica, anemia e fadiga, dor ao defecar ou modificação do funcionamento intestinal.

As mulheres em fase reprodutiva enfrentam risco ampliado da infertilidade: estudos estimam que 40% das pacientes com endometriose lidam com problemas para engravidar.

“Apesar do volume de publicações, a endometriose é uma doença que costuma ser cercada de mitos e falsas verdades, o que tem relação direta com a falta de informação”, diz a médica radiologista Andréa Leite, especialista em imagem abdominal, pélvica e oncológica.

“Precisamos estar unidas para propagar dados corretos, falar da importância do acompanhamento regular dos especialistas e da realização de exames para que providências sejam tomadas e mulheres possam ter uma vida saudável”, completa Andréa.

Colo de útero
A outra campanha nacional que tem as mulheres como foco é o Março Lilás, que alerta sobre o câncer de colo do útero. Este é o terceiro tipo de câncer mais incidente entre as mulheres no país.

No Nordeste, a taxa do câncer de colo de útero fica em 17,59 casos a cada 100 mil, sendo o segundo mais incidente. Em Pernambuco, a cada grupo de 100 mulheres, 12,14 são diagnosticadas com o câncer de colo de útero.

Para diagnosticar o câncer de colo de útero, os exames mais utilizados são os a citologia oncótica e colposcopia.

Veja também

Meningite: conheça as causas, os sintomas e as formas de evitar a doença
Prevenção

Meningite: conheça as causas, os sintomas e as formas de evitar a doença

TikTok: app vai ser banido nos EUA? Entenda o que acontece agora com a rede social
Rede Social

TikTok: app vai ser banido nos EUA? Entenda o que acontece agora com a rede social

Newsletter