A-A+

Maria Fernanda Cândido rouba a cena em tapete vermelho de Cannes

Dirigido pelo italiano Marco Bellocchio, "O Traidor" rememora a história do mafioso Tommaso Buscetta

Fabrizio Ferracane, Maria Fernanda Cândido e o diretor Marco BellocchioFabrizio Ferracane, Maria Fernanda Cândido e o diretor Marco Bellocchio - Foto: Valery Hache / AFP

A atriz Maria Fernanda Cândido, 45, foi o grande destaque no tapete vermelho do filme "O Traidor", que estreou nesta quinta-feira (23) no Festival de Cannes.

Trajando um longo e brilhoso vestido bordô, ela teve seus passos acompanhados a todo tempo pelas câmeras rumo à escadaria do cinema. Lá dentro, na plateia, estavam nomes como Leonardo DiCaprio e Gael García Bernal.

Dirigido pelo italiano Marco Bellocchio, "O Traidor" rememora a história do mafioso Tommaso Buscetta, que delatou seus antigos comparsas da organização criminosa Cosa Nostra e se refugiou no Brasil. Maria Fernanda interpreta Cristina, a brasileira com quem ele casou no país.

O filme de Bellocchio é uma coprodução da Itália com o Brasil, aqui tocada pela produtora paulista Gullane Filmes. Junto a "Bacurau", dos pernambucanos Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles, são os 2 títulos com DNA nacional entre os 21 da competição do Festival de Cannes, mais importante mostra de cinema do mundo.

Leia também:
Imprensa estrangeira bate cabeça para escrever 'Bacurau' em Cannes
'Bacurau', um grito de resistência em Cannes 

Também passou pelo tapete vermelho Marina Ruy Barbosa, 23, que prestigiou a première do filme "Oh Mercy!" na quarta-feira (22). A atriz usou um vestido de paetês vermelhos estilo tomara que caia, com coque alto e volumoso, e sandálias de salto nude.

Veja também

Vaquejada não autorizada com mais de 600 pessoas é interrompida em Vitória de Santo Antão
Vitória de Santo Antão

Vaquejada não autorizada com mais de 600 pessoas é interrompida na Zona da Mata

Os 5 membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU querem 'Afeganistão estável', diz Guterres
Afeganistão

Os 5 membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU querem 'Afeganistão estável', diz Guterres