Marília Arraes é a maior ameaça ao PSB

PSB rompeu com o PT em 2012 e em 2014 apoiou o impeachment de Dilma Rousseff

Inaldo SampaioInaldo Sampaio - Foto: Colunista

Pesquisas mostram que o maior adversário do governador Paulo Câmara nas próximas eleições não é o senador Armando Monteiro, nem o senador Fernando Bezerra Coelho, nem o deputado Mendonça Filho, e sim a vereadora Marília Arraes (PT). Ela aparece nas prévias eleitorais com elevado percentual de intenções de votos, e isso preocupa o PSB que fará tudo o que estiver ao seu alcance para não permitir que ela seja candidata. Como se lembra, o governador Paulo Câmara agendou uma viagem a Curitiba, recentemente, junto com outros governadores do Nordeste, para levar sua solidariedade ao ex-presidente Lula, que está preso na capital paranaense, apesar de o PSB ter rompido com o PT em 2012 e apoiado o impeachment da presidente Dilma Rousseff. Interessa-lhe agora, todavia, celebrar uma aliança com o PT para surfar na popularidade do ex-presidente, que continua sendo no Nordeste um fenômeno eleitoral de fazer inveja aos adversários, com cerca de 50% de intenções de voto. Então, para afastar Marília do seu caminho, o PSB parece disposto a pagar qualquer preço, inclusive colocar o senador Humberto Costa na chapa da Frente Popular como candidato à reeleição, mesmo sabendo que a presença dele nesta chapa, ao lado do deputado Jarbas Vasconcelos, um antipetista histórico, representa um risco para todos devido às explicações que terão que dar aos pernambucanos. A cúpula do PT também está trabalhando contra Marília, tanto que adiou para o mês de junho sua definição sobre o que fará nas próximas eleições: candidato próprio ou aliança com a Frente Popular. Significa que a vereadora terá que passar mais um mês imobilizada, sem saber se o partido a ungirá ou não como candidata a governadora.

Quarteto da resistência
A vereadora Marília Arraes não consegue ampliar suas alianças visando à disputa pelo governo estadual porque o PT não permite Ela se movimenta sozinha porque está impedida de falar em nome do partido. Seus aliados internos, em defesa da candidatura própria, são a deputada Teresa Leitão e os prefeitos Luciano Duque (Serra Talhada) e Luiz Aroldo (Águas Belas).

Sem ninguém > Se o PT soubesse fazer conta, rapidamente concluiria que retornando à Frente Popular não elegerá nenhum deputado federal, a exemplo do que ocorreu em 2014. O candidato mais forte do PT a deputado federal, hoje, é menos forte do que o mais frágil da Frente Popular.

Vácuo político > Geraldo Alckmin, pré-candidato do PSDB a presidente da República, esteve neste final de semana em dois estados nordestinos: Maranhão e Piauí. Em ambos tem menos de 2% de intenções de votos, ante cerca de 60% do ex-presidente Lula.

Lula livre > No show que Chico Buarque fez no Teatro Guararapes, sexta-feira passada, a plateia iniciou o coro “Lula livre”. O autor de “Apesar de você”, hino contra o regime militar, não deu uma palavra sobre a prisão do ex-presidente. Ficou em silêncio, enquanto a plateia se manifestava. Ao final, bateu duas vezes com a mão direita no peito esquerdo como se quisesse mostrar que lado estava o seu coração.

Time forte > Pelas contas do Palácio das Princesas, cerca de 150 dos 184 prefeitos pernambucanos apóiam a reeleição de Paulo Câmara. Se prefeito transferir votos para seus candidatos, o que nem sempre acontece, o atual governador já pode se considerar reeleito.

Veja também

Acervo da Uerj ganha dois fósseis de nova espécie de crocodiliformes
Ciência

Acervo da Uerj ganha dois fósseis de nova espécie de crocodiliformes

Leitura pode reduzir a pena na prisão, mas ainda há desafios
Educação

Leitura pode reduzir a pena na prisão, mas ainda há desafios