Argentina

Martín Guzmán, ministro da Economia da Argentina, renuncia ao cargo

Guzmán renunciou por meio de uma longa carta endereçada ao presidente, que ele postou no Twitter

O agora ex-ministro da economia argentina, Martín GuzmánO agora ex-ministro da economia argentina, Martín Guzmán - Foto: Divulgação / Redes Sociais

Depois de muitos meses de desgaste devido à política interna que atravessa o governo de Alberto Fernández de ponta a ponta, o ministro da Economia, Martín Guzmán, renunciou neste sábado (2) ao cargo.

O momento em que o governante optou por tornar pública sua decisão coincidiu com o discurso que Cristina Kirchner fazia em Ensenada, renovando suas críticas ao rumo econômico.

Guzmán renunciou por meio de uma longa carta endereçada ao presidente, que ele postou no Twitter.

“Com a profunda convicção e confiança em minha visão do caminho que a Argentina deve seguir, continuarei trabalhando e agindo por uma Pátria mais justa, livre e soberana”, disse ele na carta, na qual destacou suas conquistas de gestão.

Fernández x Kirchner

A renúncia de Guzmán é uma clara derrota política do presidente Alberto Fernández, em sua disputa permanente e cada vez mais pública e feroz com a vice-presidente, Cristina Kirchner.

Há menos de um mês, em meio a pressões do kirchnerismo, Fernández afastou o ex-ministro da Produção, Matias Kulfas, que foi substituído pelo ex-embaixador da Argentina no Brasil, Daniel Scioli.

Tanto Kulfas como Guzmán vinham sendo questionados por Cristina e seus aliados, que culparam a equipe econômica pela derrota do governo nas eleições legislativas de 2021.

Com a saída de Guzmán, surgem sérias dúvidas sobre a sustentabilidade de Fernández, faltando um ano e três meses para as eleições presidenciais de 2023.

Veja também

Alimentos úmidos: mais hidratação e nutrição na dieta de um pet
Folha Pet

Alimentos úmidos, como sachês e patês, fornecem mais hidratação e nutrição

Rússia quer conectar usina de Zaporizhzhia à Crimeia, diz operador ucraniano
Guerra

Rússia quer conectar usina de Zaporizhzhia à Crimeia, diz operador ucraniano