Pernambuco

Apesar da liberação do uso de máscaras, há locais em que proteção segue obrigatória; confira

Durante coletiva de imprensa, foi anunciada, também, a desobrigação da apresentação do comprovante vacinal em ambientes e eventos abertos

Alunos da rede municipal de ensino do recifeAlunos da rede municipal de ensino do recife - Foto: Melissa Fernandes/Folha de Pernambuco

A partir desta quarta-feira (20), não é mais obrigatório utilizar máscaras em ambientes fechados em Pernambuco. Porém, nas escolas, dentro dos veículos de transporte público (ônibus, BRT e metrô), nas farmácias, nos hospitais ou em qualquer lugar que preste serviços de saúde, o uso segue sendo obrigatório em todo o Estado. A decisão foi anunciada pelo governador Paulo Câmara em pronunciamento na terça-feira (19). 

À tarde, em coletiva de imprensa, o secretário estadual de Saúde, André Longo, e a secretária executiva de Desenvolvimento Econômico, Sidia Haiut, detalharam o novo decreto e anunciaram, ainda, a desobrigação da apresentação do comprovante vacinal em ambientes e eventos realizados em espaços abertos, sejam eles públicos ou privados. Com as novas determinações, festas como o São João estão permitidas. 

O passaporte vacinal continua sendo exigido em lugares fechados como bares, restaurantes, teatros, cinemas e eventos fechados. 

Avanço da vacinação e diminuição dos casos

De acordo com Longo, a decisão foi tomada com base na queda dos indicadores da Covid-19 e com o avanço da vacinação. Ele pontua que em alguns lugares o uso ainda é obrigatório. “A obrigatoriedade continua para os serviços de saúde, incluindo farmácias, pela circulação de pessoas doentes; para o transporte público pela tendência da aglomeração; e também nas escolas, para o ensino infantil - a partir dos 3 anos-, fundamental e médio”, destacou. 

Na semana passada, o Estado atingiu a marca de 80% da população vacinada com ao menos duas doses. Esse número supera os 90% quando considerado os maiores de 18 anos. Além disso, 80% dos idosos já foram vacinados com a primeira dose de reforço (terceira dose). 

Com o avanço da vacinação, a taxa de positividade para a Covid se mantém há seis semanas abaixo de 3% e está, atualmente, em 0,7%. Nas últimas cinco semanas foram registrados menos de 60 casos graves da doença e há 12 dias não foram registradas mortes. Longo afirma que os registros diários anunciados são de casos antigos que foram recuperados pelas unidades de saúde e secretarias municipais. 

Apesar da alta taxa de imunização, a cobertura vacinal entre os jovens de 12 a 17 anos está em 73% para a primeira dose e de 54% na segunda. Já entre as crianças de 5 a 11 anos, as coberturas estão em 52% para a primeira aplicação e de apenas 15% na segunda, o que preocupa o Estado. Além disso, 245 mil pessoas com mais de 60 anos ainda não tomaram a primeira dose de reforço (terceira dose). Os dados são da Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE). 

Recomendação

Mesmo com a desobrigação, o secretário recomenda o uso de máscaras para pessoas com sintomas gripais, pacientes imunossuprimidos e idosos, especialmente os que ainda não tomaram as doses de reforço da vacina. A utilização da proteção também é pertinente para qualquer pessoa onde houver aglomeração. Longo também reforçou que, mesmo com um cenário favorável, ainda há circulação do vírus no Estado e a Organização Mundial da Saúde (OMS) continua classificando a emergência em saúde pública provocada pela Covid-19 como pandemia.

Igrejas e faculdades 

Apesar da liberação nos templos religiosos, em nota, a Arquidiocese de Olinda e Recife afirmou que as pessoas que estiverem sem máscaras não serão impedidos de entrar nas igrejas, porém, recomenda a continuidade do uso, e que os fiéis mantenham a proteção durante as celebrações

Nas faculdades e universidades públicas e privadas, a desobrigação fica a critério de cada instituição, mesmo com a retirada da obrigatoriedade. 

Na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), a obrigatoriedade segue nos ambientes internos da instituição. Além disso, está prevista, na próxima semana, uma reunião do Grupo de Trabalho de Enfrentamento à Covid-19 (GT Covid) para discutir o tema. 

A Universidade Federal Rural de Pernambuco (URFPE) também mantém a obrigatoriedade em ambientes internos da instituição e o Comitê de Acompanhamento da Covid-19 permanece monitorando a situação para possíveis novas determinações. 

Em nota, a Universidade de Pernambuco (UPE) afirmou a permanência do uso do equipamento por toda comunidade acadêmica e visitantes nos ambientes internos e externos da instituição. 

Setores comemoram 

Setores como o comércio varejista e os bares e restaurantes receberam a notícia da flexibilização com ânimo e expectativa de dias melhores

Para o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas do Recife, Fred Leal, a notícia é ótima para o varejo

"A notícia de que o governo vai liberar o uso de máscara inclusive para ambientes fechados é uma boa notícia para o varejo. Estamos num momento de restrição de consumo, o consumidor anda muito apertado, e isso é uma forma de que as pessoas voltem a circular. É muito bom para o comércio", pontuou. 

No caso dos bares e restaurantes, a expectativa é de um incremento nas vendas e um aumento na movimentação

"Nós da Abrasel recebemos com muita alegria essa notícia, pois é uma ratificação do controle da pandemia, nós estamos caminhando para um novo momento, para viver uma realidade de outrora. A questão da retirada das máscaras para os colaboradores vai proporcionar que os garçons possam voltar a sorrir, e que nós possamos voltar a prestar o nosso serviço com todas as características de cordialidade. Nós temos uma expectativa de melhoria no movimento. Estamos confiantes que os bares e restaurantes vão ter um incremento nas suas vendas", destacou o presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes de Pernambuco (Abrasel), Tony Souza. 

Veja também

Deslocados forçados no mundo superam os 100 milhões pela primeira vez, diz ONU
Mundo

Deslocados forçados no mundo superam os 100 milhões pela primeira vez, diz ONU

Biden adverte para impacto 'relevante' da varíola dos macacos
Estados Unidos

Biden adverte para impacto 'relevante' da varíola dos macacos