Mega da Virada bancaria 7 milhões de quilos de picanha

Chance de acertar os seis números da Mega-Sena da Virada em uma aposta simples é de apenas uma em 50 milhões - mas é suficiente para mobilizar os apostadores

Elias Caetano é cantor e quer gravar um disco se ganhar a Mega da ViradaElias Caetano é cantor e quer gravar um disco se ganhar a Mega da Virada - Foto: Rafael Furtado/ Folha de Pernambuco

Ninguém sabe ao certo quando surgiram as loterias, mas estima-se que tenham sido inventadas pelos chineses há mais de dois mil anos e levadas à Europa pelos comerciantes, séculos mais tarde. O fato é que desde antes de Cristo não há quem não sonhe em receber o beijo de Tique, a deusa grega da sorte, ficando milionário da noite para o dia. A Mega-Sena da Virada é uma destas possibilidades. Cada apostador, ao jogar um bilhete simples com seis dezenas, tem apenas uma chance em 50 milhões. Mesmo assim, como sonhar é livre, existe um sonho em cada cartão registrado.

A Folha mostra nesta reportagem tudo sobre a premiação que pode ser a maior da história. A estimativa inicial é de R$ 280 milhões, valor que deverá aumentar quando as apostas foram encerradas, às 15h da segunda-feira (horário local). A expectativa é que supere os R$ 306 milhões sorteados em 2017.

O que significam R$ 280 milhões na vida de alguém? A pedido da Folha, o professor de matemática Fabiano Nader, do cursinho Força Isoladas, fez alguns cálculos que exemplificam a quantidade de dinheiro dessa premiação. Um trabalhador que recebe R$ 3 mil por mês durante 45 anos de batente precisaria de 200 vidas para ganhar tudo isso com o próprio suor. E se os R$ 280 milhões fossem trocados por cédulas de R$ 2 e enfileirados em linha reta, teríamos uma trilha de 9.100 quilômetros, distância equivalente a do Recife a Moscou, na Rússia.

Leia também:
Todos de dedos cruzados!
Apostas para Mega da Virada podem ser feitas até segunda-feira


Mas e se essa dinheirama fosse trocada por moedinhas de 1 real? Aí o ganhador teria que carregar para casa um pacote de 2.200 toneladas. Com o valor do prêmio seria possível ao vencedor ter seu próprio Boeing 737-700. Ou mais de 56 mil iPhones X . Ou comprar 7 milhões de quilos de picanha, para garantir o maior churrasco do mundo. Se os 280 milhões fossem distribuídos entre toda a população do Recife, formada por cerca de 1,5 milhão de habitantes, cada pessoa receberia pouco mais de R$ 186. Nem todos sabem, mas algumas dezenas são mais sorteadas que outras.

O número 10 é o mais quente, com 242 aparições. Em compensação, o 15 é o azarão, com 192 chamadas. São Paulo, o estado mais populoso do Brasil, lidera o ranking de sorteados, com 208 ganhadores em 2.110 concursos. O segundo colocado, Minas Gerais, vem bem atrás, com 77 vencedores. Pernambuco aparece na oitava posição, empatado com Santa Catarina, com oito bilhetes premiados, que correspondem a 2,82% dos premiados.

Nas lotéricas da região metropolitana há filas para tentar a sorte, que devem aumentar nos últimos dias de aposta. “Fiz um investimento de R$ 85, o que não é nada para retirar R$ 280 milhões”, brinca o cantor Elias Caetano da Silva, o Lelo do Forró. Ele fez o jogo numa lotérica de Casa Amarela na sexta-feira e garantiu que, se ganhar sozinho, vai doar R$ 130 milhões para instituições de caridade. “Hospital do Câncer, Imip, Lar do Neném... Vou doar a maior parte. O restante (R$ 50 milhões) vou usar para comprar imóveis, gravar meu terceiro CD e curtir com a família”, conta o músico popular, que aproveita para fazer um comercial: “Também faço cover de Reginaldo Rossi, se quiserem me contratar, ainda estou livre até a segunda” - o dia do sorteio.

Assim como Elias, doar parte do prêmio é o que boa parte dos apostadores afirma querer fazer com uma fatia do prêmio. “Meu primeiro passo vai ser logo ajudar quem precisa. Tem muita gente morando nas ruas. No centro da Cidade é só o que se vê agora. Depois vou aplicar o dinheiro”, diz o aposentado Marinaldo Ramos, 73 anos. “Se eu pudesse, comprava mais uns 100 anos de vida, mas como não dá, me contento com isso mesmo”, ironiza.

O serralheiro Jones Jerônimo da Silva, 55 anos, que usou a hora do almoço para ir à casa lotérica, jogou apenas um bilhete com seis números, mas demonstrou confiança. “Se tiver que ser sorteado, vai ser assim mesmo.” Sair do Brasil é outro plano muito citado pelas pessoas. A bancária Natália Guimarães, 27 anos, diz que pretende variar as aplicações e comprar um imóvel fora do País. “Poderia morar e estudar no exterior, tendo uma renda boa e confortável”.

O técnico em manutenção Adriano Justino, 35 anos, concorda. “Vou comprar um monte de apartamento para investir e ir viver bem longe”, conta. Confiante, a funcionária pública Rita Coelho, 43 anos, revela que sonhou com as dezenas e correu para a casa lotérica. “Tomara que seja um aviso. Se eu ganhar vou dividir com um bocado de gente, até com vocês [da reportagem]”, prometeu. Estamos na torcida, dona Rita.

Rita Coelho promete ajudar até o pessoal da reportagem se ganhar a Mega <3

Rita Coelho promete ajudar até o pessoal da reportagem se ganhar a Mega <3 - Foto: Rafael Furtado/Folha de Pernambuco

 

   Aplicar prêmio requer atenção

Receber o prêmio tão desejado de R$ 280 milhões da Mega-Sena da Virada é um sonho. Mas o que fazer com esse dinheiro? As aplicações financeiras são várias, por isso é preciso que o sortudo fique atento a qual tipo de investimento se quer ter de retorno. O importante é montar as prioridades e decidir sobre a rentabilidade, a segurança e a liquidez.

De acordo com o educador financeiro Arthur Lemos, o que determina se o investimento será bom ou ruim é o perfil da pessoa e o objetivo que se quer atingir. “É preciso pensar em quanto quer fazer o dinheiro render, a segurança de que o dinheiro está sendo investido da melhor forma e a liquidez de poder sacar o valor a qualquer momento. Esses são os pilares que o vencedor deve pensar”, explicou Lemos, ao complementar que, no caso de um prêmio muito alto, a maior preocupação deve ser a segurança.

“Neste caso, a segurança passa a ser o principal requisito a ser analisado, uma vez que o vencedor estará mais preocupado com a preservação do seu capital do que com a multiplicação”, sugeriu. As possíveis aplicações são a caderneta de poupança, o tesouro direto, os bons fundos de investimento, fundos imobiliários e ações. “Investir na caderneta de poupança, por exemplo, rende pouco. A rentabilidade é equivalente a 70% da taxa básica de juros, a Selic, que hoje é de 6,5% ao ano. Já no tesouro direto, o rendimento é de 100% da Selic. No entanto, a pessoa só pode investir R$ 1 milhão por mês. Ou seja, o ganhador esperaria pelo menos 280 meses para investir todo o dinheiro”, explicou Lemos.

Em relação aos fundos imobiliários, os investimentos são direcionados ao mercado imobiliário. Com isso, a rentabilidade depende da valorização dos imóveis. “Não é recomendado investir em ações ou em imóveis, caso a pessoa ganhadora não tenha conhecimento prévio no assunto”, indicou Lemos. Ainda existe a possibilidade de investir em títulos bancários, como os certificados de depósitos bancários (CDBs). No entanto o investidor precisa ficar atento aos aspectos de segurança envolvidos. “A melhor alternativa é o fundo de investimento de renda fixa. É importante a pessoa buscar um fundo conservador, seguro, e que a rentabilidade seja igual ou superior a Selic. Isso dependerá do gestor do fundo que vai administrar os recursos”, detalhou Lemos.

De forma geral, a pesquisa é a maior recomendação. “A pessoa também pode optar por diversificar os investimentos em várias aplicações. O fundamental é ir a banco ou corretoras de valores independentes que preservem seu capital e apresentem rentabilidade justa”, sugeriu o educador financeiro. Prêmio O período para se apostar na Mega da virada começou no dia 5 de novembro e segue até às 15h (horário local) do dia 31. E o valor do prêmio depende das apostas que forem realizadas. Com base nos outros anos do sorteio, a estimativa deste ano da Caixa é de R$ 280 milhões. “A estimativa nesta edição é a mesma do ano passado. Fazemos uma base de acordo com nossos outros concursos. No entanto, o valor final pago pode ser menor ou maior, a depender dos recursos provenientes das apostas”, explicou o gerente regional da Caixa Econômica Federal, Ricardo Tabatchnik.

Nesta edição, o valor está acumulado porque, no último dia 20, o sorteio regular realizado em Conselheiro Pena (MG) não teve apostador vencedor. Do total acumulado com as apostas, 43,35% são destinados para o prêmio bruto. Deste valor, 13,01% são deduzidos para o Imposto de Renda e os 30,35% representam o prêmio líquido. “O restante é destinado para áreas como seguridade social, segurança, esportes e cultura”, informou Tabatchnik. As apostas podem ser feitas nas casas lotéricas, pelo internet banking da Caixa, por meio da conta-corrente ou conta-poupança, e também pelas Loterias Online para quem não é correntista Caixa. O ganhador deve retirar o prêmio em até 90 dias após a data do sorteio.

 

Veja também

Primeiro lote com 62.250 doses da vacina da Janssen chegam a Pernambuco
Coronavírus

Primeiro lote com 62.250 doses da vacina da Janssen chegam a Pernambuco

Taxa de ocupação de UTIs em Pernambuco fica abaixo de 80% pela primeira vez em sete meses
Coronavírus

Taxa de ocupação de UTIs em Pernambuco fica abaixo de 80% pela primeira vez em sete meses