Meninas da ginástica rítmica faturam bronze na prova com bolas

Após a finalização da apresentação, as brasileiras somaram 22.500 pontos.

Erro cometido pelas atletas, não tirou o bronze do BrasilErro cometido pelas atletas, não tirou o bronze do Brasil - Foto: Cris Bouroncle/AFP

O conjunto brasileiro da ginástica rítmica, que já havia conquistado a medalha de bronze na prova com três arcos e dois pares de maças, voltou a subir um degrau no pódio nesse domingo (4), na disputa com cinco bolas nos Jogos Pan-Americanos Lima 2019.

Assim como aconteceu nesse domingo (04), a medalha surge mesmo após uma falha, desta vez cometida no meio da coreografia de alto grau de dificuldade. Após a finalização da apresentação, as brasileiras somaram 22.500 pontos.

Ocupam as posições à frente do conjunto verde-amarelo as ginastas dos Estados Unidos, que somaram 23.100 e ficaram com a prata, e das mexicanas, com nota 24.400.

Leia também:
Natália Gaudio fatura bronze no individual geral da ginástica rítmica
Ginástica artística nacional fez sua melhor campanha em Pans
Flavia Saraiva conquista medalha de bronze no solo da ginástica

Já com a medalha de bronze no peito, Déborah Medrado avaliou que a equipe "fez uma boa apresentação, mas comentou uma falha grave". A fala faz referência à escapada de uma das bolas durante a coreografia.

"Nós poderíamos, com certeza, tirar uma nota mais alta, mas vamos melhorar para o Mundial. A gente tem total possibilidade de chegar na prata ou no ouro", garantiu a ginasta.

Segundo Déborah, o conjunto brasileiro ficou apreensivo após a apresentação de Cuba, última equipe a passar pelo tablado. "As cubanas conseguiram acertar a série inteira e a gente ficou no sufoco", revelou.

Para a treinadora brasileira, Camila Ferezin, o alto grau de dificuldade da coreografia fez toda a diferença para a conquista do bronze. "As brasileiras lançam muitas vezes o aparelho, vários aparelhos, recuperam sem as mãos e fora do campo visual", analisou.

O conjunto brasileiro é formado pelas atletas Deborah Bramedrado, Camila Brarossi, Beatriz Brada Silva, Nicole Brapircio e Vitoria Braguerra. Elas voltam a competir nesta segunda-feira (5), em busca da terceira medalha na competição. "Amanhã nós temos uma nova chance. Se Deus quiser, a gente vai conseguir acertar essa série para melhorar nosso nota e classificação", finalizou Déborah.

Veja também

Classes mais altas têm maior potencial de contaminação em repique de casos, diz infectologista
Coronavírus

Classes mais altas têm maior potencial de contaminação em repique de casos, diz infectologista

Protestos contra violência policial deixam 56 mortos e fecham escolas na Nigéria
internacional

Protestos contra violência policial deixam 56 mortos e fecham escolas na Nigéria