Notícias

Menino de 11 anos é suspeito de matar padrasto para proteger mãe e irmão

Em depoimento à polícia, a mulher afirmou ainda que tentou ajudar o adolescente, e os três acabaram "se embolando"

Viatura São PauloViatura São Paulo - Foto: Divulgação

Um menino de 11 anos é suspeito de ter matado a facadas o padrasto na noite desta segunda-feira (10) em Campinas (93 km de SP), para proteger o irmão de 15 anos e a mãe, de 40, que estariam sendo agredidos.

Segundo a polícia, o padrasto, 43 anos, discutiu com a mulher porque as contas de luz estavam atrasadas e a energia da casa havia sido cortada.

A mãe afirma que, durante a briga, o homem partiu para cima dela. Ao testemunhar a violência, o filho de 15 anos interveio, mas acabou imobilizado pelo padrasto com um mata-leão e agredido com socos no rosto.

Leia também:
Chuvas deixam mais de 500 desalojados e 142 desabrigados em São Paulo
PM agride mulher grávida de cinco meses no interior de São Paulo


Em depoimento à polícia, a mulher afirmou ainda que tentou ajudar o adolescente, e os três acabaram "se embolando". Neste momento, segundo boletim de ocorrência, a criança de 11 anos pegou uma faca na cozinha e atingiu o padrasto duas vezes, sendo que um dos golpes atingiu o pescoço.

Ainda segundo o boletim de ocorrência, o homem, ferido, abriu a porta da casa e saiu para a rua, no bairro Jardim Novo Mundo, para pedir ajuda. Uma vizinha que é técnica de enfermagem tentou ajudar a estancar o sangue até a chegada de um socorrista, mas o homem morreu no local.

A mãe e os dois garotos foram até a delegacia, onde contaram a mesma versão sobre o caso. A criança seria encaminhada à Vara da Infância e da Juventude nesta terça-feira (11).

Segundo a polícia, a mulher já havia registrado um boletim de ocorrência de agressão contra o marido, no ano passado. Em depoimento, ela reforçou que o homem era uma pessoa "ciumenta e agressiva". O Tribunal de Justiça de São Paulo afirmou que não comenta o caso pois ele corre em segredo de Justiça.

Estatuto da criança
Iberê Dias, juiz da Vara da Infância e da Juventude de Guarulhos (Grande SP), explicou que, com base no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), menores de 12 anos não podem ser responsabilizados.

"Não posso falar especificamente sobre este caso, mas, de forma genérica, o que esta criança e a família precisam é de um acompanhamento psicossocial", afirmou o magistrado, que não é o juiz responsável por este caso de Campinas.

Veja também

Milhares de mulheres se manifestam contra 'cultura do estupro' no Uruguaiuruguai

Milhares de mulheres se manifestam contra 'cultura do estupro' no Uruguai

Saúde: 53 milhões de brasileiros estão aptos a tomar dose de reforçoVacina contra covid

Saúde: 53 milhões de brasileiros estão aptos a tomar dose de reforço