Mercadinho em Boa Viagem desenvolve prateleira solidária em combate à fome durante a pandemia

Mercadinho Sinas estimula doações de alimentos e itens de primeira necessidade, que ficam à disposição para a população mais vulnerável na entrada do local

Mercadinho Sinas desenvolve prateleira solidáriaMercadinho Sinas desenvolve prateleira solidária - Foto: Mercadinho Sinas/Divulgação

Além de ter de enfrentar a pandemia provocada pelo novo coronavírus, grande parte da população brasileira precisa lidar com a falta de renda e com a fome, que tempos assim costumam intensificar. A fim de levar um pouco mais de dignidade e esperança à vida de quem está em situação de vulnerabilidade social, o Mercadinho Sinas, localizado no bairro de Boa Viagem, Zona Sul do Recife, criou a prateleira solidária, para onde itens da loja são doados pelos clientes e ficam de graça à disposição das pessoas mais necessitadas.

A prateleira está posicionada logo na entrada do mercado. É possível ver frutas embaladas, alimentos não perecíveis, papel higiênico, pastas de dente e demais itens de higiene e limpeza. Porém, visando à segurança de quem recolhe os produtos, apenas é permitida a doação de produtos fechados e com a sua respectiva data de vencimento à mostra. São rigorosamente proibidos alimentos vencidos, bebidas alcoólicas, congelados, resfriados e garrafas de vidro. E o recado escrito em placa na prateleira é claro: “pedimos que pegue só o necessário, pois tem mais pessoas com fome”.

Leia também:
Graças ao confinamento, casal de pandas acasala em Hong Kong
WhatsApp limita encaminhamento de mensagens em crise de coronavírus 

O relatório internacional ‘O Estado da Segurança Alimentar e Nutrição no Mundo 2018, da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), mostrou que a fome atinge 5,2 milhões de pessoas no Brasil. Durante a pandemia, de acordo com pesquisa Datafolha, 32% dos 13,6 milhões de brasileiros que moram em favelas estão sob a ameaça de não terem dinheiro para comprar comida.

Cientes desses dados assustadores, sócios e donos do estabelecimento, os irmãos e empresários Eduardo Santos e Amanda Guilherme se inspiraram em outras ações semelhantes que ocorreram pelo mundo durante a pandemia do novo coronavírus, mas até então inédita em uma empresa do ramo no Recife.

“Havia um temor de desabastecimento nos mercados durante o coronavírus, o que não aconteceu, só que existem pessoas que enfrentam um desabastecimento diário e sem hora para terminar. Este desabastecimento não se dá por conta de doença nenhuma, mas pela terrível má distribuição de renda que existe no nosso país, que torna essas pessoas ainda mais vulneráveis em tempos de pandemia. Trabalhar com alimentos e itens de primeira necessidade, enxergar isso tudo e não fazer nada seria algo inconcebível. Precisávamos logo tomar alguma atitude que ao menos diminuísse a dor dessas pessoas e dessas famílias”, declarou Eduardo Santos.

Outra influência para o Mercadinho foi o projeto projeto Ação da Cidadania Contra a Fome, do sociólogo Hebert de Sousa, o Betinho, que a partir da década de 1990 mobilizou diversos segmentos da sociedade brasileira na busca de soluções para as questões da fome e da miséria. Betinho cunhou a célebre frase “quem tem fome tem pressa”, mais uma inspiração para a iniciativa do Mercadinho Sinas. Utilizar um mecanismo para que esses produtos e alimentos chegassem rápido a quem precisa foi, portanto, prioridade.

“Criamos também uma ação para doação de cestas básicas e pensamos em outras formas de arrecadação, mas quem está com fome não pode esperar. A ideia prateleira dinamiza tudo isso. Não é preciso ela pedir, falar com ninguém. É simples, basta pegar o que precisar”, contou Amanda.

A ação tem dado certo. No último sábado (4), quando a prateleira solidária foi montada e divulgada nas redes sociais do Mercadinho Sinas, o post viralizou. E no início desta semana, a adesão dos clientes na campanha foi acima do esperado. “O engajamento surpreendeu. Nós mesmos que fizemos a primeira doação e imaginávamos somente outras doações pontuais, mas muita gente aderiu à campanha, compartilhou a iniciativa com amigos e familiares, veio nos procurar pessoalmente e acabamos construindo uma imensa corrente do bem”, pontuou Amanda.

Outras ações

O Mercadinho Sinas também desenvolveu outras iniciativas contra a crise do coronavírus como a doação de uma cesta básica a cada cinco vendidas no estabelecimento e a venda de ovos de Páscoa feitos por pequenos produtores em incentivo à economia local.

Além disso, adotou internas para controle do vírus como a visita de médico para orientar seus colaboradores, a instalação de dispenser com álcool em gel em loja, de telas de acrílico nos caixas, estabeleceu ainda a entrada de dez clientes por vez, contratou mais profissionais exclusivos para limpeza e higienização e reduziu o horário de funcionamento em duas horas para diminuir o fluxo de pessoas no local.

Serviço

Mercadinho Sinas - Rua Padre Bernardino Pessoa, 316 - Boa Viagem (ao lado do Restaurante TaySan)
Delivery pelo WhatsApp: (81) 98621-2086
Instagram: @mercadinhosinas
Facebook: Mercadinho Sinas

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Complexo de Suape filia-se a rede global de desenvolvimento sustentável
Pernambuco

Complexo de Suape filia-se a rede global de desenvolvimento sustentável

EUA recomendam uso de máscaras por vacinados em áreas de alto risco
Coronavírus

EUA recomendam uso de máscaras por vacinados em áreas de alto risco