Coronavírus

Mercosul pedirá fundos a entidades internacionais para combater a pandemia

Os países do Mercosul - Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai - pedirão em bloco para refinanciar suas dívidas com organizações internacionais

Pessoas fazem fila para receber refeição em Itá, no ParaguaiPessoas fazem fila para receber refeição em Itá, no Paraguai - Foto: NORBERTO DUARTE / AFP
Os países do Mercosul - Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai - pedirão em bloco para refinanciar suas dívidas com organizações internacionais para enfrentar os efeitos da pandemia da Covid-19, anunciou nesta terça-feira o ministro das Relações Exteriores do Paraguai, Antonio Rivas. 
 
"A solicitação será feita no nível do bloco e o financiamento será gerenciado por cada país de acordo com suas necessidades", destacou o ministro das Relações Exteriores no segundo dia de sessões anteriores à cúpula do Mercosul, na quinta-feira, 2 de julho. 
 
A chancelaria paraguaia precisou informações divulgadas mais cedo nesta terça (30) ao destacar que "o que se fará na cúpula é um chamado conjunto a organismos internacionais para o financiamento de recursos para enfrentar a pandemia, mas cada Estado-membro vai gerenciar por seu lado. Não será uma gestão em bloco".
 
A reunião presidencial será realizada pela primeira vez por teleconferência e assinaturas digitais também serão usadas para legalizar as decisões tomadas sob essa nova modalidade no acordo de integração regional. Os quatro parceiros analisam uma redução temporária das tarifas alfandegárias para facilitar o comércio intrareegional, profundamente debilitado pelo fechamento de fronteiras pela crise sanitária.
 
O Paraguai deve entregar a presidência pro tempore do bloco ao Uruguai na quinta-feira na reunião presidencial que terá a presença virtual dos quatro chefes de Estado: Alberto Fernández, da Argentina; Jair Bolsonaro, do Brasil; Mario Abdo, do Paraguai; e Luis Lacalle Pou, do Uruguai. 
 
Sebastián Piñera, do Chile, também participará da reunião ampliada com os presidentes dos Estados associados; Jeanine Añez, da Bolívia; e Iván Duque, da Colômbia. Como convidado especial estará o Alto Representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros, o espanhol Josep Borrell. 
 
Após 20 anos de negociações, a UE e os países do Mercosul chegaram a um acordo comercial em junho de 2019 que enfrenta uma revisão legal antes da assinatura formal, antes do processo de ratificação parlamentar

Veja também

Senado aprova indenização de R$ 50 mil a profissionais incapacitados pela Covid-19
Coronavírus

Senado aprova indenização de R$ 50 mil a profissionais incapacitados pela Covid-19

Maia diz que cheque especial é extorsão ao cidadão e que é preciso buscar novo formato
economia

Maia diz que cheque especial é extorsão ao cidadão e que é preciso buscar novo formato