Mesmo com dados, país pode estar desinformado, diz OMS

'Falhas no acompanhamento de comunidades vulneráveis são graves e precisam ser resolvidas', disse o diretor executivo da OMS (Organização Mundial da Saúde), Michael Ryan

Brasil é o mais afetado pelo novo coronavírus na América LatinaBrasil é o mais afetado pelo novo coronavírus na América Latina - Foto: Douglas Magno / AFP

Estatísticas são muito importantes para tomar decisões na pandemia, mas é preciso olhar para os dados certos, disse nessa sexta-feira (10) o diretor executivo da OMS (Organização Mundial da Saúde), Michael Ryan.

"Não precisamos de todo dado. Os locais são mais importantes, os nacionais, menos, e os internacionais, menos ainda. Falhas no acompanhamento de comunidades vulneráveis são graves e precisam ser resolvidas", disse.

Para Ryan, é preciso planejar corretamente que informações são necessárias para tomar decisões. "O país pode ter uma avalanche de dados, mas estar pobre de informações. O que importa é ter o número certo dos dados certos, e analisá-los para formular suas políticas", disse.

Leia também:
Pesquisa em favelas mostra que mães não conseguirão comprar alimentos
Covid-19: 70% dos moradores de favelas tiveram redução da renda


Acompanhar as taxas de infecção dos trabalhadores de saúde, o grau de severidade da doença e as taxas de infecções em crianças são algumas das informações que ajudariam a formular estratégias, segundo a líder técnica da organização, Maria van Kerkhove.

Ryan diz ainda que é preciso evitar perder-se em discussões sobre falta de transparência, muitas vezes "balas disparadas entre grupos rivais". Disputas políticas, segundo ele, dificultam o controle do coronavírus. "O coração do combate a uma epidemia é a coordenação. É preciso fazer compromissos com pessoas com as quais você nunca concordaria em nenhuma outra circunstância, parcerias com pessoas com as quais você jamais trabalharia, porque a meta é mais alta. Tem que colocar diferenças de lado e trabalhar junto."

Embora Ryan não tenha citado especificamente o caso brasileiro ao falar de disputas políticas, a resposta foi dada a pergunta sobre se a OMS via falta de coordenação e transparência no Brasil. A OMS voltou a repetir que ainda é muito cedo para relaxar a guarda nas medidas de distanciamento social e isolamento dos casos de infecção.

Ryan usou como exemplo a descoberta, nesta sexta, de um novo caso do vírus ebola na República Democrática do Congo, depois de 52 dias sem nenhum registro. O país pretendia declarar no domingo que havia controlado seu segundo surto da doença, que deixou mais de 2.200 mortos.

"A lição que se tira daí é que não existe estratégia de saída até que se tenha controle total", afirmou o diretor, acrescentando que os países terão que manter sistemas de monitoramento constante do coronavírus, porque podem vir várias ondas de contágio.

Dados sobre a transmissão da doença e o os níveis de ocupação do sistema de saúde são fundamentais para determinar tanto a necessidade, o momento e o grau das quarentenas quanto a forma de sair delas, defende a OMS.

"O caminho de saída pode ser tão perigoso quanto o caminho de entrada se não for administrado corretamente", disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom. Na Europa, sete países já anunciaram a retomada de algumas atividades, e governos têm montado equipes técnicas, com virologistas, epidemiologistas, assistentes sociais, economistas e executivos, para definir estratégias de relaxamento das medidas.

A Áustria, por exemplo, deve reabrir algumas lojas na terça-feira (14) e montou um programa massivo de testes para monitorar o impacto do relaxamento nas transmissões.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

EUA autorizam envio de 3 mi de doses da vacina da Janssen ao Brasil para a próxima semana
Vacinação

EUA autorizam envio de 3 mi de doses da vacina da Janssen ao Brasil para a próxima semana

Igreja, restaurantes e lojas são autuados em fiscalizações do Procon-PE
Pandemia

Estabelecimentos são autuados em fiscalizações do Procon-PE