Mesmo com mais ocupações, data do Enem está mantida

Pernambuco já soma 16 locais ocupados, afetando mais de 14 mil candidatos. Inep divulgará nesta sexta a lista de instituições invadidas

SaúdeSaúde - Foto: Sasin Tipchai / Pixabay

 

Depois de muitas dúvidas e inseguranças, o Enem 2016 não será adiado e está mantido em duas datas, uma delas neste fim de semana. Candidatos que tiveram o local de prova ocupado por estudantes vão fazer a avaliação nos dias 3 e 4 de dezembro, enquanto os demais inscritos respondem ao exame nestes sábado e domingo.

A decisão da Justiça Federal no Ceará negou o pedido do procurador geral da República Oscar Costa Filho, do Ministério Público Federal (MPF) do Ceará, que buscava o adiamento do Enem. O procurador, no entanto, afirmou que recorrerá da decisão nesta sexta-feira (4). O Inep, instituto do Ministério da Educação (MEC), divulgará hoje a lista atualizada de novas ocupações.

Em Pernambuco, pelo menos mais uma escola foi ocupada, somando 16 locais de prova ocupados no Estado, segundo a PM. Com isso, o número de candidatos no Estado que fazem o exame em dezembro deve aumentar para mais de 14 mil. Na ação inicial, o procurador defende que o cálculo da nota do Enem, a Teoria da Resposta ao Item, mantém um nível de dificuldade aproximado em diferentes provas de múltiplas escolhas. Porém, a técnica não se aplica à redação.

“Não assegura a igualdade quanto à prova de redação cujo tema a ser proposto em dias e provas diferentes jamais poderá assegurar tal paridade”, diz. Ele ainda encaminhou um pedido adicional à Justiça Federal para suspender nota da redação até que a solicitação do cancelamento fosse julgada.

A juíza Elise Avesque Frota, da 8ª Vara Federal, foi a responsável por indeferir o pedido. “Apesar da diversidade de temas que inefastavelmente ocorrerá com a aplicação de provas de redação distintas, verifica-se que a garantia da isonomia decorre dos critérios de correção previamente estabelecidos”.

O MPF em Pernambuco não localizou nenhuma representação sobre o adiamento do Enem no Estado. O Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino no Estado de Pernambuco (Sinepe) informou que as escolas continuam com o programado para o fim de semana de prova e não iriam entrar com ação pública para postergar o exame.

“Tudo está programado dentro do que foi planejado. Mas, claro que as escolas, como acontece sempre, têm o plano ‘b’. Se houver alguma mudança, será acionado caso seja necessário”, disse José Ricardo Diniz, presidente do Sinepe.

Estudantes como João Francisco de Souza, 16 anos, se encontram num impasse, pois a mudança de data do Enem coincidiu com a data da primeira fase do Vestibular Seriado da UPE. “Quando soube da notícia, eu pensei em deixar de fazer o Enem, mas depende do dia. O foco é o SSA, que será de manhã. Como eu acho que a prova da UPE é mais curta, são menos questões por dia, talvez faça os dois, mas será cansativo.” A UPE informou que a universidade ainda está discutindo sobre possíveis mudanças no calendário do vestibular.

Segundo a presidente do Inep, Maria Ines Fini, o custo pelo adiamento de parte do Enem será de R$ 12 milhões. Ela classificou as ocupações como "sem sentido" e disse ainda que o ato prejudica milhares de estudantes.

 

Veja também

Professora da Unicap é acusada de racismo
Racismo

Professora da Unicap é acusada de racismo

Homem é condenado a pagar 15 salários mínimos por maltratar cães em MG
animais

Homem é condenado a pagar 15 salários mínimos por maltratar cães em MG