Método menos invasivo de transplante de córnea beneficia pacientes em PE

Índice de rejeição dos pacientes apresentou uma queda de 25% para 1%, pois apenas a estrutura doente da córnea é transplantada e não há a troca de toda a espessura do tecido

FAV realiza método revolucionário de transplante de córnea. Nas fotos, Iran Bonifácio (candidato para cirurgia), Edilene Paula (já realizou a cirurgia dos dois olhos) e o Dr Lúcio Maranhão (responsável pelo procedimento). FAV realiza método revolucionário de transplante de córnea. Nas fotos, Iran Bonifácio (candidato para cirurgia), Edilene Paula (já realizou a cirurgia dos dois olhos) e o Dr Lúcio Maranhão (responsável pelo procedimento).  - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

Um método minimamente invasivo para a realização de transplantes de córnea vem apresentando excelentes resultados para pacientes operados pela Fundação Altino Ventura (FAV), no Recife. A Fundação foi o primeiro hospital oftalmológico a fazer o precedimento em  Pernambuco, no ano de 2015. Até o momento, 102 cirurgias deste tipo foram executadas.

O índice de rejeição dos pacientes é 1%, pois apenas a estrutura doente da córnea é transplantada e não há a troca de toda a espessura do tecido, como no método tradicional.

Leia também:
Transplantes de córnea aumentaram 34% em 2016
Fígado, rins e córneas de mulher de Lula são doados a pacientes paulistas


Um dos outros diferenciais do método é a redução do tempo de recuperação do paciente de dois anos para um intervalo de um a três meses. Até o mês passado, o oftalmologista Lúcio Maranhão, era o único cirurgião de Pernambuco apto a fazer a cirurgia. Ele ministrou um curso para 12 cirurgiões brasileiros e colombianos, onde repassou a técnica, que beneficiará muito mais pessoas.

Veja também

Bombeiros apagam incêndio e salvam morador no bairro dos Aflitos, neste domingo (18)
Resgate

Bombeiros apagam incêndio e salvam morador nos Aflitos

Um a cada quatro pacientes apresentam queda de cabelo após Covid-19
Coronavírus

25% dos pacientes apresentam queda de cabelo após Covid-19