A-A+

Mídia ajudou Lula a crescer nas pesquisas

O “povão” que vota em Lula não sabe o que é corrupção passiva nem lavagem de dinheiro

Inaldo SampaioInaldo Sampaio - Foto: Colunista

Até ir para cadeia em abril deste ano, o ex-presidente Lula tinha nas pesquisas de opinião cerca de 30% de intenções de voto. Supunha-se que não teria mais como crescer porque sua taxa de rejeição era estratosférica. Ocorre que mesmo trancafiado numa cela da Polícia Federal, em Curitiba, ele soube “pautar” a mídia nacional, e até internacional, com a versão de que o juiz Sérgio Moro o persegue e que o condenou sem provas. Assim, não passou um só dia da data da prisão até hoje sem criar um fato político. Foi notícia quando recebeu a visita do Prêmio Nobel da Paz, Adolfo Perez Esquivel, quando a juíza das execuções penais, Carolina Lebbos, impediu que recebesse a visita se alguns governadores, entre eles Paulo Câmara, quando um desembargador do TRF da 4ª Região mandou soltá-lo e outro desembargador, no mesmo dia, determinou que continuasse preso, quando a Comissão de Direitos Humanos da ONU recomendou ao governo brasileiro que não o deixasse fora da disputa, quando o jornal “The New York Times” abriu-lhe espaço para dizer que há no Brasil onda “onda conservadora” e quando teve publicadas em centenas de órgãos de imprensa do Brasil as cartas que escreveu para correligionários, muitas delas contendo uma série de bobagens. A farta exposição de mídia que tem todos os dias e sem o “povão” saber o que é “corrupção passiva” e muito menos “lavagem de dinheiro” contribuiu para que ele crescesse na preferência dos eleitores para voltar ao Palácio do Planalto. Não vai voltar porque não será candidato. Mas deve estar profundamente grato a alguns veículos, que no intuito de desgastá-lo com a notícia da prisão acabaram contribuindo para que ele chegasse a 45 dias da eleição com impressionantes 39% de intenções de voto, de acordo com pesquisa do Datafolha divulgada ontem.

O desempenho do PSB

Segundo pesquisas divulgadas até agora, entre elas a do Ipespe, parceiro desta “Folha”, o PSB lidera a corrida eleitoral para governador em 4 estados: Pernambuco (Paulo Câmara), Sergipe (Valadares Filho), Amapá (João Capiberibe) e Espírito Santo (Renato Casagrande). Rodrigo Rollemberg (DF) está empatado tecnicamente com Eliana Pedroso (PROS) e Rogério Rosso (PSD).

Fora PT >
O deputado e candidato à reeleição, Felipe Carreras (PSB), convidou Paulo Câmara para a inauguração do seu comitê no bairro do Parnamirim, mas mantém a posição de não votar em Lula para presidente nem em qualquer outro candidato indicado pelo PT.

O rombo > O déficit previdenciário não é um problema apenas da União e dos estados. O prefeito de Triunfo, João Batista (PR), está desesperado porque o dinheiro do fundo próprio acabará em 2019, obrigando-o a tirar 500 mil/mês do tesouro municipal para pagar aos inativos.

A desafio> O desafio de Lula este ano será semelhante ao de ACM na Bahia em 1982, quando teve que “inventar” um candidato a governador, às pressas, porque seu escolhido, Clériston Andrade, morrera num acidente aéreo. O “inventado” foi João Durval Carneiro, que ganhou a eleição. A “invenção” de Lula será Fernando Haddad.

A ajuda > O Palácio conseguiu um apoio substancial para tentar garantir a reeleição do deputado Waldemar Borges (PSB): a prefeita de Arcoverde, Madalena Brito (PSB). Existe lá um candidato da terra, Eduíno Brito (PP), mas os dois não se bicam.

Veja também

Termina neste domingo (26) inscrição para isentos que não compareceram ao Enem 2020
ENEM

Termina neste domingo (26) inscrição para isentos que não compareceram ao Enem 2020

Ação do Detran distribui rosas e brindes para ciclistas neste domingo (26) , no Bairro do Recife
Mobilidade

Ação do Detran distribui rosas e brindes para ciclistas neste domingo (26) , no Bairro do Recife