Ministro sobrevoa áreas da Amazônia Legal atingidas por incêndios

Após sobrevoar localidades do sul do Pará e do noroeste do Tocantins, o ministro disse ter observado um menor número de focos de incêndios

O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e SilvaO ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, sobrevoou nesta quinta-feira (3) algumas das áreas da região amazônica onde, desde o fim de agosto, militares, brigadistas e servidores de outros órgãos públicos lutam contra os focos de incêndio que atingem a Amazônia Legal (região composta pelos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins).

Após sobrevoar localidades do sul do Pará e do noroeste do Tocantins, o ministro disse ter observado um menor número de focos de incêndios – fato que ele atribuiu às ações de combate a incêndios desenvolvidas no âmbito da Operação Verde Brasil e à “conscientização da população”.

“Estamos muito satisfeitos”, disse Silva a jornalistas. Para o ministro, as autoridades públicas das três esferas devem aprender com a Operação Verde Brasil e evitar que uma situação semelhante à verificada este ano se repita. Executada por militares das Forças Armadas, a operação conta com a ação coordenada de agentes de órgãos de controle ambiental e de segurança pública federais, estaduais e municipais.

Leia também:
Incêndios na Amazônia afetam crianças e custam R$ 1,5 milhão ao SUS
'É falácia dizer que a Amazônia é patrimônio da Humanidade", afirma Bolsonaro na ONU


“Temos que colher os ensinamentos, particularmente os deste ano, em que nos debruçamos em relação ao problema ambiental. Tenho certeza de que os governos federal e estaduais, e também os municípios, com seus órgãos de fiscalização ambiental, farão uma análise ao fim das ações para que estes focos de incêndio diminuam no próximo ano”, comentou Silva, lembrando que a operação segue quase até o fim deste mês.

O emprego das Forças Armadas para a Garantia da Lei e da Ordem (GLO) em áreas de fronteira, terras indígenas, unidades federais de conservação ambiental e em outras áreas da Amazônia Legal foi autorizada pelo presidente Jair Bolsonaro em 23 de agosto, com a assinatura do Decreto nº 9.985. Inicialmente, as ações preventivas e repressivas contra delitos ambientais e combate aos focos de incêndio seriam realizadas até 24 de setembro. Quatro dias antes, contudo, o Palácio do Planalto editou o Decreto nº 10.022, prorrogando o prazo de vigência da GLO até 24 de outubro.

“Prorrogamos [os trabalhos] até o mês de outubro para consolidar os resultados. Ainda estamos na época de seca, mas as chuvas estão chegando e isto vai ajudar muito”, disse o ministro da Defesa.

De acordo com Silva, a maior dificuldade encontrada pelos militares é o tamanho da área de atuação. “Ela é maior que a Europa Ocidental. Há dificuldades logísticas, mas estamos indo muito bem. Até porque as Forças Armadas têm uma capilaridade muito grande na Amazônia Legal”, destacou.

Segundo o Ministério da Defesa, entre o início da ação, em 24 de agosto, e o último dia 26, os militares e integrantes de agências governamentais que participam da operação combateram mais de 1,5 mil focos de incêndio; detiveram 68 pessoas e apreenderam mais de 18 mil metros cubos de madeira.

Também foram aplicados mais de 215 termos de infração, o que resultou em um total de R$ 58 milhões em multas. Os militares também destruíram 17 acampamentos ilegais, apreenderam 70 veículos, 111 embarcações e embargaram mais de 10 mil hectares de terra. “Acho que foi uma resposta rápida [das forças do Estado], pois nunca houve uma operação destas no Brasil. É algo inédito”, avaliou o ministro.

Veja também

Governo quer liberar preços de medicamentos com inovação incremental
saúde

Governo quer liberar preços de medicamentos com inovação incremental

MEC publica edital para 50 mil vagas remanescentes do Fies
Educação

MEC publica edital para 50 mil vagas remanescentes do Fies