Monitor de Secas indica estiagem menos intensa em Pernambuco

Dados indicam que áreas antes em situação de seca extrema tiveram período de chuva mais regular. Previsão é que cenário se mantenha nos próximos meses.

Seca em PernambucoSeca em Pernambuco - Foto: Alfeu Tavares/Folha de Pernambuco

O atual ciclo da seca que atinge o Nordeste e o interior de Pernambuco desde 2012 está menos intenso. De acordo com o novo Mapa do Monitor de Secas, publicado esta semana, áreas do Agreste e do Sertão que se encontravam em situação de seca extrema ou excepcional tiveram este ano um período de chuvas mais regular e agora apresentam uma estiagem de moderada a grave.

A previsão é que o cenário se mantenha nos próximos meses. Apesar disso, continua em vigor o decreto de situação de emergência para 115 municípios das duas regiões.

Segundo boletim climático da Agência Pernambucana de Águas e Clima (Apac), em julho, choveu no Sertão pouco menos de 50 milímetros, quase o dobro do esperado para o mês. No período chuvoso da região, de janeiro a abril, o nível de precipitação registrada também foi mais alto que a média histórica, o que possibilitou a redução na intensidade da seca.

Só no Sertão do Pajeú, desde o início do ano até o mês passado, o acumulado foi de 697,7 milímetros, 84,5 a mais do que o esperado. Já no Agreste, também foi registrado um aumento no nível de chuva em julho, chegando perto dos 150 milímetros.

Leia também:
Governo amplia para 63 número de cidades em situação de emergência por conta da estiagem
Novo plano de combate à seca é discutido em reunião técnica
Chuva e estiagem deixam sete municípios em situação de emergência


Atualmente, uma pequena porção do sudoeste do estado, na parte onde fica Petrolina, ainda é a área mais afetada, a única em situação de seca extrema. Mesmo assim, o clima no local está mais ameno, já que a área deixou de ser classificada como de seca excepcional, o grau máximo de estiagem.

De acordo com a meteorologista da Apac, Edvânia Santos, para medir o nível de seca de um lugar, são considerados diversos fatores. “A chuva é um dos indicadores, mas utilizamos também índices de seca e vegetação que colocamos no mapa e vemos se os impactos da seca aumentam ou diminuem em longo ou curto prazo”, detalha.

A intensidade e a duração da estiagem também dependem do período chuvoso. “Se o período de chuva for ruim, não enche reservatório, não tem lavoura e afeta a agricultura e a alimentação de animais. Então, quando chega o período de estiagem normal da região, isso tende a se agravar”, explica a meteorologista.

No segundo semestre, com menos chuvas, a tendência é manter o regime de seca mais moderada. “A partir daí, a gente vai verificar se a seca se agrava ou não”, diz Edvânia Santos.

Emergência
Os dados aparecem um mês após o governo do estado ampliar de 62 para 63 o número de municípios do Agreste em situação de emergência por causa da estiagem. No Sertão, segundo a Coordenadoria de Defesa Civil (Codecipe), são 52 cidades, contempladas por decreto que vence em setembro. O subcoordenador do órgão, major George Vitoriano, diz que, apesar da redução na intensidade da seca, a medida segue em vigor.

“Estamos fazendo um levantamento nos municípios. Com base nisso é que verificamos se há caracterização da situação de emergência ou não. Com essa diminuição da seca, é possível que haja mudanças no próximo decreto, mas vamos ver outros fatores”, afirma. Dessa forma, para revogar a medida, é preciso ter um período mais prolongado de normalidade. “Deve ser o suficiente para que a região possa se restabelecer”, explica o major Vitoriano.

Veja também

Itamaraty anuncia mais um voo para trazer brasileiros retidos em Portugal
Pandemia

Itamaraty anuncia mais um voo para trazer brasileiros retidos em Portugal

Pesquisadores da Universidade de Brasília desenvolvem máscara que inativa coronavírus
Ciência

Pesquisadores da Universidade de Brasília desenvolvem máscara que inativa coronavírus