Morador de rua é maioria dos alunos da Escola da Vida

Projeto chega ao número de 100 atendidos com o objetivo de resgatar pessoas em situação de vulnerabilidade social, afastadas da escola

Escola da Vida oferece oficinas de letramento e raciocínio lógico, em OlindaEscola da Vida oferece oficinas de letramento e raciocínio lógico, em Olinda - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

Moradores de rua, sem escolaridade e com idades acima de 16 anos participam de oficinas de letramento e de raciocínio lógico em pontos espalhados de Olinda, na Região Metropolitana do Recife. As atividades integram o projeto Escola da Vida, que completa 9 meses nesta quarta-feira (12). O projeto, que chega ao número de 100 atendidos, surge com o objetivo de resgatar pessoas em situação de vulnerabilidade social, afastadas da escola. O Escola da Vida é financiado pelo Ministério da Educação (MEC) e executado pela Prefeitura de Olinda, em parceria com a Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE).

As ações são realizadas em seis pontos, incluindo as Igrejas de Nossa Senhora do Monte e de Nossa Senhora de Fátima, em Olinda. O projeto também é acolhido na Ilha de Santana, na Praça do Carmo, no Conjunto Vila Brasília e na Associação de Recicladores de Olinda. De acordo com a Prefeitura do município, o projeto procura acionar conteúdos que envolvem temas relacionados à cidadania e cuidados com a saúde.

Leia também:
Escola da Vida busca elevar alfabetização
Convênio com a Prefeitura de Olinda inicia o projeto Escola da Vida


Além de moradores de rua, pessoas que trabalham nas ruas e envolvidas com drogas também são integrados ao Escola da Vida. Ainda segundo a prefeitura, o projeto capacitou funcionários, entre profissionais das áreas de assistência social, guarda municipal, saúde e conselhos tutelares.

Veja também

Com forte chuva, Florianópolis registra morte de mãe e filha em desabamento de muro
Santa Catarina

Com forte chuva, Florianópolis registra morte de mãe e filha

O mau exemplo do STF na pandemia: aglomeração, omissão de diagnóstico e tentativa de furar fila
Coronavírus

O mau exemplo do STF na pandemia: aglomeração, omissão de diagnóstico e tentativa de furar fila