Moradores de Porto de Galinhas realizam evento de conscientização da praia

O movimento Porto 2039, que conta com mais de 80 pessoas envolvidas, tem o objetivo de alertar a população local e aos turistas sobre a necessidade do cuidado com a praia de Porto de Galinhas

Praia de Porto de GalinhasPraia de Porto de Galinhas - Foto: Arthur de Souza/Arquivo Folha de Pernambuco

Moradores e empresários de Porto de Galinhas, em Ipojuca, no Litoral Sul de Pernambuco, realizam, na noite deste sábado (7), uma ação de conscientização e preservação do município.

O movimento Porto 2039, que conta com mais de 80 pessoas envolvidas, tem o objetivo de alertar a população local e aos turistas sobre a necessidade do cuidado com a praia de Porto de Galinhas.

Leia também:
CPRH investiga origem de substância encontrada na Praia do Paiva
Piche despejado no mar atinge praias do litoral pernambucano
Voluntários recolhem lixo na praia do Janga

Segundo o representante do movimento Porto 2039, Pedro Ivo, que mora em Ipojuca há 30 anos, a ação também visa a necessidade da “desplastificação” da praia de Porto. “Faremos um desfile cultural e de alerta. Camisas foram confeccionadas com a logo do movimento, e estamos estimulando que as pessoas usem camisetas brancas na ocasião. Cartazes e instrumentos musicais também serão usados. Tudo para chamar a atenção de todos sobre que Porto queremos ter a longo prazo”, afirmou.

Pedro falou ainda que Ipojuca tem sido alvo de muitas construções irregulares e que o mangue está sendo afetado. “Mesmo as prefeituras dizendo que há uma preocupação com o local, o município e a praia, em específico, estão precisando de muitos cuidados. Empresas querem fazer novos hotéis e resorts em uma área que é o pulmão de Porto. O nosso espaço precisa de mais atenção”, alertou.

A ação, que está prevista para começar às 19h, deve seguir até às 21h e tem concentração marcada no calçadão de Porto de Galinhas, em frente ao restaurante Pitanga.

Veja também

Argentina estabelece cota de transgêneros, transexuais ou travestis no setor público
direitos humanos

Argentina estabelece cota de transgêneros, transexuais ou travestis no setor público

Brasil tem, em média, menos de 1 computador para 4 alunos de 15 anos
educação

Brasil tem, em média, menos de 1 computador para 4 alunos de 15 anos