Moradores fecham avenida no Recife em protesto contra morte de jovem em baile

Manifestantes atearam fogo na pista para bloquear o trânsito

Rescaldo do protesto contra morte de jovemRescaldo do protesto contra morte de jovem - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

Em ato cobrando justiça pela morte do técnico em Mecânica William da Silva, assassinado em um baile de brega-funk no Ibura, Zona Sul do Recife, no domingo (12), familiares, amigos e moradores fecharam por cerca de duas horas a avenida Dois Rios, a principal do bairro, na manhã desta quarta-feira (15). Os manifestantes atearam fogo na pista, na altura do cruzamento com a avenida Rio Xingu, para bloquear o trânsito.

O protesto começou antes das 7h e foi encerrado por volta das 9h. O cruzamento entre as avenidas Dois Rios e Rio Xingu foi bloqueado e o acesso para os bairros do Ibura, Jordão, Ipsep e à BR-101 foi interditado com pneus em chama. Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e a Autarquia de Trânsito e Transporte Urbano do Recife (CTTU) estiveram no local para controlar a situação.

Leia também:
Jovem é morto durante ação da PM em baile de brega-funk na Zona Sul
‘Era um rapaz alegre. Queremos justiça’, diz amigo de jovem morto em baile no Recife
PM alega que encontrou já baleado o jovem no baile brega-funk
Corregedoria abre investigação sobre morte de jovem em baile no Recife

Parentes do jovem assassinado alegam que policiais que estiveram na festa que aconteceu na Avenida Pernambuco, na UR-1, dispararam contra William que foi atingido no peito. Ele não resistiu ao ferimento e morreu em seguida. “Organizamos este protesto de forma pacífica. Queremos justiça, resposta. A polícia matou ele, assassinou covardemente. Ele estava se divertindo, quando um policial se abaixou e atirou nele. Nós temos muitos vídeos da festa e testemunhas que estiveram lá. Procuramos a corregedoria e queremos resposta. Vamos resistir e se não tivermos respostas, voltaremos outras vezes”, afirmou Estefany, uma prima de William presente no ato.

“Meu sobrinho William foi injustamente assassinado. Não sabemos a causa, e ainda foi marginalizado para ele próprio receber a culpa por não estar mais aqui. Pelo que a maioria das pessoas que estiveram aqui, o tiro partiu de um policial. A PM diz que não, as pessoas dizem que sim. Então queremos as câmeras”, disse a empresária Patrícia Santos, tia da vítima, que esteve no protesto para cobrar providências.

Entenda o caso
O técnico em Mecânica William da Silva, 19, foi assassinado com um disparo no peito em um baile de brega-funk no Ibura, Zona Sul do Recife, na madrugada do domingo (12). Relatos de amigos e testemunhas culpam a Polícia Militar de Pernambuco pela morte do jovem. Segundo eles, William interviu em uma ação de policiais quando foi baleado.

A polícia informou, por meio de nota, que encontrou o jovem já baleado quando chegou ao local. Ainda segundo a versão da polícia, a confusão se deu por causa de uma disputa entre facções criminosas das comunidades do Ibura e dos Milagres. A Polícia Civil de Pernambuco investiga o crime.

O corpo de William foi enterrado nessa terça-feira (14), no Cemitério Vale da Saudade, na Região Metropolitana do Recife (RMR). A Corregedoria Geral da Secretaria de Defesa Social abriu investigações preliminares para apurar as circunstâncias da morte e poderá abrir processo administrativo caso encontre elementos suficientes.

Veja também

Médicos são os primeiros vacinados com a dose de Oxford no Brasil
VACINAÇÃO

Médicos são os primeiros vacinados com a dose de Oxford no Brasil

Primeiras doses da vacina AstraZeneca/Oxford chegam a Pernambuco neste domingo
VACINAÇÃO

Primeiras doses da vacina AstraZeneca/Oxford chegam a Pernambuco neste domingo