Morato: Polícia defende tese de suicídio ou morte natural

Foragido da operação Turbulência foi encontrado morto em motel de Olinda

A BailarinaA Bailarina - Foto: Divulgação

Suicídio ou morte natural. Essas são as apostas da polícia para explicar a morte do empresário Paulo César Morato. A tese foi defendida pelo secretário-executivo de Defesa Social, Alexandre Lucena, durante coletiva de imprensa na tarde desta quinta-feira (23). Morato estava foragido e o corpo dele foi encontrado em um motel de Olinda na noite de quarta (22).

"Está praticamente descartada a hipótese do homicídio. Segundo sua advogada, já tinha tentado um suicídio anteriormente. Estava sob pressão, por ser procurado pela polícia, e pode ter ocorrido uma morte natural. Não dá para precisar o momento exato da morte, mas aparentemente foi pouco depois de entrar no motel", disse Lucena.

Na manhã desta quinta, a perícia papiloscópica que seria feita na cena do crime foi cancelada sem maiores explicações. Uma equipe foi ao local, mas não chegou nem ao quarto onde o corpo estava. "A gente já repassou à polícia todos os esclarecimentos e nossa política agora é esperar que as investigações sejam concluídas. Se eles precisarem, estamos à disposição", afirmou o advogado do motel, Higínio Marinsalta.

Foragido da Operação Turbulência, Paulo Cesar Morato era suspeito de ser "testa de ferro" de uma organização criminosa suspeita de lavar dinheiro para financiar as campanhas do ex-governador Eduardo Campos, em 2010 e 2014.

Veja também

UFPE retoma atividades com aulas remotas a partir de agosto
Coronavírus

UFPE retoma atividades com aulas remotas a partir de agosto

Após reunião com Mourão, fundo nórdico diz que falta plano sobre desmatamento
Meio Ambiente

Após reunião com Mourão, fundo nórdico diz que falta plano sobre desmatamento