luto

Morre no Rio, aos 104 anos, o policial mais antigo da Polícia Militar

João Freire Jucá Sobrinho entrou na corporação em 1934

João Freire Jucá Sobrinho, 104, da Polícia Militar do antigo estado da GuanabaraJoão Freire Jucá Sobrinho, 104, da Polícia Militar do antigo estado da Guanabara - Foto: Reprodução/Instagram

Morreu em Petrópolis, região serrana do Rio de Janeiro, neste domingo (18), aos 104 anos, o tenente-coronel João Freire Jucá Sobrinho, da Polícia Militar do antigo estado da Guanabara, quando o Rio ainda era capital da República. Ele era o policial mais antigo da instituição.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Hoje nos despedimos do policial mais antigo da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro. O Tenente-Coronel João Freire Jucá Sobrinho, tinha 104 anos e ingressou na corporação como soldado, em 1934. Ele se dedicou durante 29 anos ao serviço na #PMERJ e colecionou diversas medalhas. Fica aqui nossa homenagem! Um grande exemplo para as próximas gerações. Combateu um bom combate, encerrou a carreira e guardou a fé… A #policiamilitar agradece pelos serviços prestados! #Luto #servireproteger #veteranos #familiaazul #valorizeanossahistória #valorizequemteprotege

Uma publicação compartilhada por PMERJ (@policiamilitar_rj) em 19 de Out, 2020 às 1:52 PDT

O oficial superior passou por duas guerras mundiais, gripe espanhola e covid-19 e morreu em casa de mal súbito. Antes, há três semanas, sofreu um derrame e foi levado para um hospital da região serrana. Depois de internado por 11 dias, voltou para casa para se recuperar.

O tenente-coronel Jucá Sobrinho ingressou na Polícia Militar como recruta no dia 20 de julho de 1934 e passou por vários batalhões, entre eles, o 2º batalhão, em Botafogo e o 3º batalhão, no Méier. Depois fez  cursos para cabo e sargento e mais tarde, passou para oficial, ingressando na Cavalaria. Ele comandou também a Companhia de Motociclistas, baseada no 4º batalhão, em São Cristóvão. O registro geral de Jucá na PM é 00104.

Depois de mais de 40 anos na corporação, passou para a reserva remunerada, no posto de tenente-coronel. Antes, decidiu morar em Petrópolis, aos 59 anos, onde foi lotado no batalhão da cidade.

Em depoimento para a página da Polícia Militar, o tenente-coronel João Freire Jucá Sobrinho disse que “foi muito boa a minha vida na carreira militar. Muito reconhecimento. Eu procurava trabalhar direito para fazer jus a isso. A Polícia Militar sempre foi muito boa para mim”, declarou.

Jucá Sobrinho nasceu no bairro de Anchieta, zona  norte do Rio de Janeiro. Ele deixa a esposa Vanda, de 95 anos, cinco filhos, 17 netos e 22 bisnetos.  

O corpo do militar foi velado no Cemitério de Petrópolis, onde ocorreu o enterro hoje à tarde.

Veja também

Comer antes do treino é prejudicial?
SAÚDE E BEM-ESTAR

Comer antes do treino é prejudicial?

Principais sintomas da Covid-19, perdas de olfato e de paladar têm tratamento
Vida Plena

Principais sintomas da Covid-19, perdas de olfato e de paladar têm tratamento