Zona da Mata Sul

Morte do menino Jonatas Santos, assassinado em Barreiros, foi motivada por vingança, diz polícia

Segundo a Polícia Civil de Pernambuco, o pai do garoto é líder de trabalhadores rurais da área e teria recusado vender suas terras a um grupo de traficantes

 Polícia detalha morte do menino Jonatas Santos Polícia detalha morte do menino Jonatas Santos - Foto: Divulgação/PCPE

A Polícia Civil de Pernambuco (PCPE) concluiu que a morte do menino Jonatas Santos, de 9 anos, assassinado em 10 de fevereiro, no Engenho Roncadorzinho, em Barreiros, na Zona da Mata Sul de Pernambuco, foi motivada por vingança.

Segundo a PCPE, o pai do garoto, Geovane da Silva Santos, é líder de trabalhadores rurais da área e teria recusado vender suas terras a um grupo se ede traficantes. O caso foi detalhado nessa quinta-feira (17), durante coletiva de imprensa.

Na data do crime, sete homens armados e encapuzados invadiram a casa da família e balearam Geovane, que sobreviveu. Jonatas e sua mãe, que também estavam no local, esconderam-se embaixo de uma cama, mas o garoto acabou sendo atingido por tiros, morrendo na residência.

De acordo com o delegado Marcelo Queiroz, dois homens foram presos e um adolescente foi apreendido por participação no crime na última quarta-feira (16).

"Dois deles confessaram suas participações no crime e o outro nega. [...] Havia interesse da organização criminosa num lote de terra, pertencente ao pai da criança. Segundo eles, um dos membros do grupo queria o lote para criar cavalos. Eles tentaram comprar a terra e, após a recusa, o grupo voltou para vingar-se”, disse o delegado, informando que o mandante do crime já está no sistema penitenciário, preso por outros crimes.
 

Os presos foram encontrados em uma área de mata fechada, localizada no Engenho Cocal Grande, na zona rural de Tamandaré. O local, de acordo com a investigação, era utilizado pelo grupo para a venda de drogas.

O delegado Marcelo Queiroz afirmou ainda que o menino teria sido baleado por engano e que outros dois envolvidos, autores dos disparos que mataram Jonatas, ainda estão sendo procurados. 

“A intenção era matar o pai. Após atingi-lo, acreditaram que ele havia se escondido embaixo da cama, mas quem estava lá era o menino, que foi alvejado”, disse.

O delegado afirmou, ainda, que outras linhas de investigação estão sendo analisadas. "Temos 60 dias para concluir o inquérito e esperamos destrinchar todas essas linhas. A questão agrária não foi descartada”, finalizou.

Veja também

Ofensiva israelense em Rafah violaria decisão da CIJ, alerta ONU
guerra no oriente médio

Ofensiva israelense em Rafah violaria decisão da CIJ, alerta ONU

Estado que "falhou" em execução com injeção letal tem lei que permite "pelotão de fuzilamento"
SERIAL KILLER

Estado que "falhou" em execução com injeção letal tem lei que permite "pelotão de fuzilamento"