Europa

Motorista invade área de pedestres e mata dois na Alemanha; há dezenas de feridos

A polícia ainda não conseguiu determinar se foi um acidente, o gesto de uma pessoa desequilibrada ou um possível ataque

Cerco policial no local do ataqueCerco policial no local do ataque - Foto: Harald Tittel/DPA/AFP

Pelo menos duas pessoas morreram atropeladas e cerca de 15 ficaram feridas, nesta terça-feira (1º), após o motorista de um carro invadir uma área de pedestres em Trier, sudoeste da Alemanha. O homem foi foi preso, informou a polícia, em meio a temores de atentados.

A polícia ainda não conseguiu determinar se foi um acidente, o gesto de uma pessoa desequilibrada ou um possível ataque. 

Alguns dos feridos ficaram em estado grave, segundo o prefeito da cidade, Wolfram Leibe, referindo-se a um "motorista louco". O veículo foi apreendido pelos investigadores, segundo a polícia. 
 

A polícia e a prefeitura de Trier pediram à população que evite esta zona de pedestres no centro da cidade, onde um importante dispositivo de segurança foi mobilizado. Um curto vídeo da zona de pedestres mostrava barracas viradas e destroços na calçada.

Se a origem do incidente ainda não foi estabelecida, acontece em um contexto tenso na Alemanha. As autoridades estão em alerta em relação à ameaça islâmica que pesa sobre o país, principalmente desde um ataque com caminhão reivindicado pelo grupo Estado Islâmico que matou 12 pessoas em dezembro de 2016 em Berlim.

Este ataque jihadista foi o mais mortal já cometido em solo alemão.

Ameaças jihadista e da extrema-direita
Desde 2009, as autoridades alemãs frustraram 17 tentativas de ataque, a maioria desde o atentado de 2016, de acordo com o Ministério do Interior.

Recentemente, um sírio de 20 anos matou um transeunte com uma faca numa rua em Dresden e feriu um segundo por motivações islamitas. Ele foi preso.

A polícia também desmantelou na primavera de 2020 na Renânia do Norte-Vestfália uma célula de supostos terroristas do Tadjiquistão ligados ao grupo Estado Islâmico, segundo o promotor antiterrorismo, Peter Frank, em 1º de novembro.

"A Alemanha e a Europa Ocidental ainda estão na mira dos islâmicos radicais", alertou.

Desde 2013, o número de islâmicos considerados perigosos na Alemanha aumentou cinco vezes e atualmente é de 615, de acordo com o Ministério do Interior.

O número de salafistas é estimado em cerca de 11 mil, o dobro de 2013.

Em 2020, 320 novas investigações foram abertas na Alemanha envolvendo uma ameaça islâmica, um número em declínio que, no entanto, "nada diz sobre o perigo qualitativo", de acordo com Peter Frank. 

Além do ataque com caminhão no mercado de Natal da capital, o EI assumiu a responsabilidade em 2016 por um assassinato a facadas em Hamburgo, um atentado a bomba em Ansbach que deixou 15 feridos e matou o agressor, bem como um ataque com machado em um trem na Baviera (5 feridos), cujo autor foi morto a tiros pela polícia.

A Alemanha também enfrenta o terrorismo de extrema direita, com vários tiroteios fatais nos últimos dois anos em Halle, no Yom Kippur, ou Hanau, em fevereiro, tendo como alvo bares shisha.

Veja também

EUA poderá ter imunidade coletiva à Covid-19 até o meio do ano, diz Biden
Coronavírus

EUA poderá ter imunidade coletiva à Covid-19 até o meio do ano, diz Biden

Mortes por Covid-19 chegam a 217,6 mil no Brasil
Coronavírus

Mortes por Covid-19 chegam a 217,6 mil no Brasil