MPPE abre núcleo para atender casos menos graves

Núcleo de Não Persecução Penal do Brasil é voltado para atender os casos de médio potencial ofensivo, que não tenham sido cometidos com violência ou grave ameaça, e que a punição se restrinja a penas alternativas, como prestação de serviços para a comunid

Francisco Barros, procurador geral de Justiça, defende novas formas de combater o crimeFrancisco Barros, procurador geral de Justiça, defende novas formas de combater o crime - Foto: Divulgação

Com o objetivo de reduzir as demandas de processos judiciais na área criminal e dar celeridade aos casos graves que tramitam na Justiça, o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) inaugurou, nesta quinta-feira (6), o primeiro Núcleo de Não Persecução Penal do Brasil. Trata-se de um espaço voltado para atender os casos de médio potencial ofensivo, ou seja, que não tenham sido cometidos com violência ou grave ameaça, e que a punição se restrinja a penas alternativas, como prestação de serviços para a comunidade e indenização à vítima. Só no Recife, a medida evitará, pelo menos, 3.000 audiências por ano.

A unidade funcionará na sede do órgão, na avenida Visconde de Suassuna, no bairro da Boa Vista, Centro do Recife. O acordo de não persecução, que chega de forma pioneira ao Brasil por Pernambuco, é aplicado em países desenvolvidos há mais de cem anos e até mesmo em casos mais graves. Ele ajuda a evitar a morosidade e a sensação de impunidade, além de economizar recursos humanos e materiais. Sérgio Tenório de França, coordenador da Central de Inquéritos e do Núcleo de Não Persecução Penal, explicou que a medida irá desafogar a Justiça. “Crimes com penas de até quatro anos, que não sejam cometidos com violência ou grave ameaça, que não sejam delitos de natureza da Lei Maria da Penha e que não envolvam tráficos, serão tratados pelo núcleo. O indiciado será convocado para comparecer em audiência e será proposto um acordo e, ele cumprindo, não será instaurado um processo penal. O procedimento será arquivado”, revela.

Leia também:
MPPE implanta cartilha para combater evasão escolar


Com isso, esses delitos não ocuparão as pautas do Judiciário, que passará a priorizar crimes como estupro, assassinato, Lei Maria da Penha, tráfico de drogas e corrupção, entre outros. “Nós temos uma legislação penal de 1940 que baseado em um código do século 18 que não atende mais as demandas da nossa sociedade. E é preciso ter um novo olhar para combater a criminalidade”, ressalta o procurador geral de Justiça Francisco Dirceu Barros. 

Veja também

Incêndio de pequeno porte atinge bloco do Centro de Informática da UFPE
Recife

Incêndio de pequeno porte atinge bloco do Centro de Informática da UFPE

Avião com 1,5 milhão doses de vacina chega amanhã, diz ministro
Janssen

Avião com 1,5 milhão doses de vacina chega amanhã, diz ministro