Clima

Mudanças climáticas causaram o verão mais quente da história do Ártico em 2023

Temperatura média nos meses de julho a setembro, verão no hemisfério norte, foi de 6,4º C

As temperaturas médias vêm subindo, em média, 0,17 ºC por décadaAs temperaturas médias vêm subindo, em média, 0,17 ºC por década - Foto: Reprodução/Internet

O verão de 2023 no hemisfério norte foi o mais quente já registrado no Ártico, segundo um relatório publicado nesta terça-feira (12) pela Agência Nacional de Administração Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA), que traça um panorama alarmante para esta região do planeta, especialmente vulnerável aos efeitos do aquecimento global.

O relatório anual da NOAA destaca a magnitude dos incêndios sem precedentes que atingiram o Canadá durante o verão e o congelamento contínuo da Groenlândia.

A temperatura média nos meses de julho a setembro, verão no hemisfério norte, foi de 6,4º C, o registro mais alto desde que começou a ser feito, em 1900.

A grosso modo, o Ártico está esquentando quatro vezes mais rápido do que o restante do planeta, inicialmente como resultado de um ciclo vicioso de perda de gelo marinho em um chamado de Amplificação do Ártico.

“A mensagem principal do relatório deste ano é que o tempo de agir é agora”, afirmou, em nota, o administrador da NOAA, Rick Spinrad.

“Nós, como nação, e a comunidade internacional devemos reduzir significativamente as emissões de gases de efeito estufa que estão provocando estas alterações”, acrescentou.

As temperaturas médias vêm subindo, em média, 0,17 ºC por década. Em termos gerais, este foi o sexto ano mais quente do Ártico, com -7 ºC.

Agora em sua 18ª edição anual, o Boletim Informativo da NOAA sobre o Ártico é fruto do trabalho de 82 cientistas de 13 países.

As observações da edição deste ano enfatizam uma tendência contínua de aquecimento do mar e da temperatura do ar, a redução da cobertura de neve, o aumento do gelo marinho e o derretimento contínuo do Manto de Gelo da Groenlândia.

Incêndios florestais
Mas o ano também trouxe eventos de alto impacto, que tiveram uma “assinatura clara” das mudanças climáticas.

Enquanto o Ártico está ficando mais úmido, há diferenças regionais e sazonais, explicou o jornalista e coautor do relatório, Tom Ballinger, da Universidade do Alasca em Fairbanks.

“Por exemplo, um inverno úmido caracterizou algumas partes do Alasca, enquanto uma primavera seca foi observada no oeste da Eurásia e no norte do Canadá foi impactada por um verão seco”, afirmou.

Condições de verão quente e seco por todo o Canadá, combinadas com um degelo precoce desenvolvido para que o Ártico canadense sofra sua pior temporada de incêndios florestais já registrados, provocando a evacuação de 20.000 pessoas da cidade de Yellowknife, em agosto.

Também em agosto, um lago glacial perto de Juneau, no Alasca, estourou sua represa, provocando uma enorme riqueza e danos às propriedades ao longo do rio Mendenhall, como resultado de duas décadas de afinamento do gelo.

Impactos na pesca
No longo prazo, a tendência de aquecimento tem uma variedade de impactos diversos nos ecossistemas e nas cadeias alimentares das quais as pessoas dependem.

Por exemplo, o salmão-vermelho alcançou um recorde de abundância na Baía de Bristol, no Alasca, nos anos 2021 e 2022.

A espécie, que vive parte da vida em água doce e outra parte no mar e é a base da pesca comercial da região, floresceu em águas mais quentes. Uma maior quantidade de planejamento permitiu aos indivíduos juvenis crescerem mais rapidamente em lagos e aumentaram suas chances de sobreviver quando chegaram ao oceano

Mas um registro de capturas inundou os mercados e derrubou os preços no atacado aos seus níveis mais baixos em décadas, informou o coautor do relatório Daniel Schindler, da Universidade de Washington.

Por outro lado, o salmão-rei e o salmão-chum, dos quais dependem das comunidades nativas, declinaram drasticamente ondas após de calor que impactaram quantidades suas taxas de crescimento, resultando em adultos menores, por razões ainda não totalmente compreendidas.

“A subsistência, a nutrição e a cultura das comunidades foram duramente impactadas”, disse Schindler.

Outro capítulo do relatório examina o permafrost (camada permanentemente congelada) submarino, um campo relativamente pouco conhecido, mesmo entre cientistas, embora seja uma fonte potencialmente importante de emissões de gases estufa.

Quando o mundo emergiu da última era glacial, as águas do mar cobriram o permafrost do Ártico, transformando-o em permafrost submarino por milhares de anos.

“Estima-se que 2,5 milhões de km² de permafrost submarino restem atualmente, mas ele continua a derreter por causa do evento original de inundação oceânica e, mais recentemente, do rápido aquecimento do Ártico”, destaca o relatório.

Veja também

Cientistas fazem alerta sobre qual vírus deve causar próxima pandemia
SAÚDE

Cientistas fazem alerta sobre qual vírus deve causar próxima pandemia

Bombardeios israelenses matam 18 em Rafah após aprovação de ajuda econômica dos EUA
guerra no oriente médio

Bombardeios israelenses matam 18 em Rafah após aprovação de ajuda econômica dos EUA

Newsletter