Mulher é morta a facadas e tem corpo incendiado em Brasília; Polícia acusa marido

Segundo relatos de familiares, Veiguima Martins, 56 anos, vivia um relacionamento abusivo com o esposo e pretendia se separar

Veiguima Martins pretendia se mudar para chácara do filho em Planaltina (GO)Veiguima Martins pretendia se mudar para chácara do filho em Planaltina (GO) - Foto: Reprodução/Facebook

A servidora aposentada Veiguima Martins, 56 anos, foi assassinada a facadas em seu apartamento, na Asa Norte de Brasília (DF), na quarta-feira (30). Segundo a Polícia, o crime foi cometido pelo marido dela José Bandeira e Silva, 80, que tentou, em seguida, simular um incêndio acidental e apagar as provas.

Antes de sair, Bandeira sofreu uma parada cardiorrespiratória por intoxicação após inalar muita fumaça. Segundo reportagem do Correio Braziliense, o Corpo de Bombeiros foi acionado por volta das 4h40 para apagar um incêndio em um imóvel do quarto andar do Bloco A da 310 Norte. No apartamento, o corpo de Veiguima foi encontrado carbonizado no quarto do casal e José estaria desacordado na cozinha, com um corte na nuca . Ele não resistiu.

Segundo relatos de familiares, Veiguima vivia um relacionamento abusivo com o esposo e pretendia se separar. Ela estaria deixando o apartamento na Asa Norte para viver na chácara do filho em Planaltina (GO). 

Leia também:
Brasil concentrou 40% dos feminicídios da América Latina em 2017
Câmara aprova projeto que aumenta pena de feminicídio cometido com medida protetiva
Feminicídio é evitado pela PM em Taquaritinga do Norte


O caso foi acompanhado pelo delegado Laércio Rosseto, da 2ª Delegacia de Polícia da Asa Norte. Os institutos Médico Legal (IML), de Perícia de DNA (IPDNA) e Criminalística (IC) auxiliaram nas coletas de análises do local do crime. De acordo com Rosseto, foram ouvidas testemunhas. Ainda de acordo com o delegado, a vítima teria registrado uma denúncia contra o companheiro em março de 2018.

Na ocasião, um procedimento foi instaurado e remetido à Vara da Família, que ficou responsável pelo caso. "Minha tia chegou a sair de casa e passar um tempo morando com a filha, mas ele ligava o tempo todo, fazia chantagem emocional e, como já tinha 80 anos e tinha a saúde delicada, dizia que estava muito doente e não havia quem cuidasse dele. Ela teve pena e voltou para casa", contou Josy.

Veja também

Maior ataque suicida em Bagdá em três anos mata ao menos 32 pessoas
Terrorismo

Maior ataque suicida em Bagdá em três anos mata ao menos 32 pessoas

Anvisa se reúne com laboratório da vacina Sputinik V
Covid-19

Anvisa se reúne com laboratório da vacina Sputinik V