eua

Mulher morre após passar nove anos com bebê calcificado no abdômen

Refugiada congolesa, de 50 anos, reclamava de cólicas estomacais e indigestão

Mulher grávidaMulher grávida - Foto: Pixabay

Uma mulher de 50 anos morreu após passar nove anos com um feto calcificado no ventre. A paciente, uma congolesa refugiada nos Estados Unidos, ficou o intestino obstruído, mas se recusou a ser submetida a uma cirurgia para remoção.

A congolesa procurou um hospital nos EUA depois reclamando de cólicas estomacais, indigestão e gorgolejo - sensação de borbulhar - após comer. Exames mostraram que problema era ocasionado pelo feto morto de 28 semanas alojado na parte inferior do abdômen.

O caso foi estudado e relatado em um artigo publicado no Journal of Medical Case Reports. Conforme a publicação, a paciente acreditava que sua condição de saúde estava relacionada a um "feitiço" que alguém na Tanzânia lançou sobre ela.

Quando a congolesa percebeu que havia perdido a criança, médicos em um campo de refugiados acusaram a mãe de "obras malignas", "matar o bebê" e "usar drogas". Por este motivo, ela evitou contatos posteriores com equipes de saúde e recusou tratamentos médicos.

A paciente morreu 14 meses depois de dar entrada no hospital. A causa da morte foi desnutrição, causada após o feto ter bloqueado o intestino e impedido a absorção de nutrientes vitais da mulher.

De acordo com o Journal of Medical Case Reports, a calcificação do feto no abdômen leva o nome científico de litopédio. O termo se refere a um feto que se calcificou ou se transformou em osso.

"A calcificação pode envolver o feto, membranas, placenta ou qualquer combinação dessas estruturas. É uma complicação extremamente rara da gravidez e pode permanecer assintomática ou apresentar sintomas gastrointestinais e/ou geniturinários", diz o estudo.

Veja também

UTIs vão reforçar hospitais de campanha no Rio Grande do Sul
Rio Grande do Sul

UTIs vão reforçar hospitais de campanha no Rio Grande do Sul

Eletrobras: trabalhadores poderão entrar em greve a partir de 3 de junho
Eletrobras

Eletrobras: trabalhadores poderão entrar em greve a partir de 3 de junho

Newsletter